Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

vida

Flores para Algernon

As obras literárias são uma oportunidade de conhecer trabalhos que nos fazem crescer. O trabalho de escrever representa uma forma de colocar no papel ideias, sonhos, desejos e projetos de vida. Ao leitor fica o prazer de contemplar, apreender, questionar e, acima de tudo, a liberdade para relacionar o conteúdo do texto com o mundo externo.

Flores para Algernon é uma obra que foi escrita no ano de 1959 por Daniel Keyes. Ouso dizer que é um clássico da literatura porque trata de questões que são atemporais durante sua narrativa. A história tem como personagem central Charlie Gordon, que sofre de retardo mental. Charlie sempre é retratado como excelente rapaz e com qualidades que estão em patamar superior comparadas à sua inteligência. Mas o fato é que, desde a tenra infância, ele esteve sendo subjugado, maltratado e teve a violência direta e simbólica como parte de seu cotidiano nos ambientes em que estava. Sofreu na infância por amor não correspondido por uma companheira de sala e foi sabotado em sua tentativa pudica de aproximação com a amada, sofrendo com a ira dos irmãos dela. Dentro de casa, havia o conflito dos pais. A ânsia da mãe de inserir o menino de fato dentro das regras da sociedade, na busca por um desenvolvimento intelectual, se chocava diretamente com o desejo do pai de respeitar a autonomia da criança. O fato é que a infância não abandonou as lembranças de Charlie e, mesmo distante da família, ele foi em busca de um desejo íntimo de ficar inteligente. Não falta força de vontade e muito menos coragem. O personagem principal irá se submeter a uma cirurgia experimental com a intenção de solucionar seu retardo mental e, assim, ficar mais inteligente. O livro narra a história através dos relatórios escritos por Charlie e permite que o leitor note as mudanças na escrita e também na sua personalidade.

Cabe aqui um exercício de reflexão provocado pelo texto durante a leitura. O desejo de ficar inteligente é catalisador para Charlie, mas o que o motiva de fato é a tentativa de aprovação com tal atitude. Estranho pensar que acabamos agindo por tanto tempo acreditando ter a certeza do que nos motiva, mas no fundo as respostas que encontramos sozinhos não são a verdade. Temos dentro de nós um rol de pessoas importantes e a quem queremos satisfazer. Parece que nosso subconsciente vai elaborando a lista de forma velada sem que notemos a sua presença durante a ação. O que fica junto com a vontade de obter aprovação é o medo da desaprovação. Em um processo dicotômico ou até mesmo dialético, elas fazem com que tomemos nossas atitudes.

O processo iniciado de aprendizagem gera mudança interna, altera a forma como vemos as coisas, nosso senso crítico, e isso tem consequência direta na nossa relação com o meio social em que estamos inseridos. Sair do senso comum e fincar os pés no mundo crítico, adquirindo cada vez mais conhecimento, gera uma disparidade de nível acadêmico. Imagine aquela pessoa amável que sempre esteve ao seu lado e que tinha atitudes totalmente previsíveis, por conta da longa convivência com você, mudando completamente e começando a aprender de forma tão rápida. A mudança assusta a gente e o principal motivo é porque acabamos temendo aquilo que não conhecemos. A nossa reação quando estamos com medo tende a ser violenta porque estamos tentando nos proteger. Assim, a busca pela mudança interna gera consequências que não conseguimos calcular. Fica também implícito que nossos companheiros, amigos e pessoas com quem nos relacionamos acabam exercendo um tipo de controle que, de alguma maneira, nos limita. Seria como se fôssemos aprisionados naquele formato, naquela forma de desenvolvimento.

A mudança interna faz caminhos sem volta; mesmo voltando para o lugar de origem, podemos dizer que já não somos a mesma pessoa que outrora esteve naquele local. O desejo de inteligência não é um fim em si mesmo, ele é o processo para que outro objetivo seja alcançado: a aceitação social. Desde nosso primeiro processo de socialização, que ocorre dentro da família, buscamos a inserção e aprovação, depois, quando vamos para a escola, repetimos o processo. Afinal de contas, queremos ser bem-sucedidos e nossa sociedade prega valores e regras nos quais devemos nos encaixar e que, por isso, nos fazem ir em busca de sucesso. Quando não logramos sucesso, acabamos conhecendo o lado perverso: o da exclusão. Vivemos a dor de saber que temos desejos simples, mas que estes não são respeitados e que nossa atitude é sempre interpretada diferente das nossas reais intenções. Ainda, como resultado desse processo, recebemos junto da exclusão a violência física, que gera traumas.

As reflexões desse texto foram provocadas a partir do livro, mas também de toda trajetória que vivencio desde minha tenra idade. O processo de leitura é solitário por essência e é um momento de anomia (ausência de regras) em que nos desenvolvemos de acordo com nossa capacidade e autonomia. Temos mudanças internas, mas elas não são facilmente reverberadas. É como a mudança de horas do relógio porque sabemos que ela está ocorrendo, mas não é tão fácil notar a movimentação do ponteiro das horas. Assim, encerro o texto com um convite para leitura do livro Flores para Algernon. O desejo que a leitura ocorra e que faça sentido para o leitor faz parte da minha busca na produção de textos reflexivos. Dickens me mostrou, com sua obra, que acabamos sendo reféns de nossos desejos e até egoístas em nossa saga. Aprendendo com ele, sigo mais consciente de meus passos, mas sem deixar de lutar por minhas convicções porque penso que isso é o que nos move, é o que nos dá força para sair da cama depois de acordar.

Boa leitura, companheiros!

Transparência.

Há uma frase conhecida: minha vida é um livro aberto. Aqueles que pronunciam ela, estão de alguma maneira anunciando que a própria vida está aberta ao leitor que deseja visita-la e que não há o que esconder. Entretanto, os livros não são os objetos mais fáceis de serem entendidos devido, muitas vezes, a complexidade da escrita e do pensamento de seus autores.

Nós, de alguma maneira voluntária ou involuntária, somos autores que dia após estamos escrevendo o capítulo de nossa história. As palavras, os parágrafos, períodos curtos ou longos que colocamos em nossas páginas facilitando ou dificultando o trabalho dos leitores que selecionamos podem representar a clareza ou ausência dela em nosso pensamento. As histórias que produzimos em nosso “trabalho” podem ser de difícil compreensão, e podem levar ao leitor a conclusão de que não estamos sendo sinceros, abertos, que optamos por esconder ideias, fatos, sentimentos ou que simplesmente omitimos algo. Acontece que essa atitude é involuntária, e que um texto confuso reflete uma mente confusa que está perdida. Texto claro é fruto da clareza de ideias.

O processo de criação é pessoal, e irá refletir os acontecimentos da vida de cada autor. Os bons momentos e vitórias são capítulos que queremos compartilhar, e se possível destacar, gastar o maior tempo possível sobre ele. As derrotas são momentos que queremos esconder, mas ao leitor atento todos os momentos são importantes. Porém cabe a empatia, saber lidar com a frustração de que nem sempre entendemos um texto em sua totalidade. Há exemplos do mundo concreto. Há grandes obras nas ciências que são lidas e relidas, e que em cada ato são descobertos novos apontamentos, significados e perspectivas.

Agora, como exigir a transparência de um autor que escreve involuntariamente desde o momento que veio ao mundo? Uma possível resposta do leitor seria: eu também escrevo e sou claro em minha própria obra! Mas será que isso ocorre? Será que a clareza está de acordo com a visão própria que leva você a ter tal pensamento? Acontece que nesse processo que envolve leitor e obra há desgaste e por consequência frustração. Até porque, quando iremos ler algo criamos de maneira direta ou indireta uma expectativa a respeito do que aquela obra irá nos trazer. Fazemos isso ao olhar a capa do livro, ler a sinopse, os primeiros capítulos e a cada página uma nova expectativa. Enquanto houver leitura, haverá espaço para decepção. Só que somos uma obra inacabada e nesse processo, leitor e obra tem vontade própria, assim a separação entre eles pode ocorrer. Para o leitor inicia a busca por uma nova obra que irá agradar seu paladar, e também irá refletir de forma direta em sua própria obra. Já o escritor involuntário vivencia o momento de encerrar o capitulo e iniciar um novo de maneira transitória, pois o assunto central será o leitor que outrora estava a folhear suas páginas e que lhe aquecia sua capa e tomo.

Razão e emoção.

                                                           Razão e emoção.

O senso comum diz que a razão diverge da emoção. Há ilustrações que mostram um cabo força entre eles representados respectivamente pelo cérebro e pelo coração. Mas por que esse dilema? Realizar esforços contrários a nossa própria vontade traz machucados profundos, e que por vezes demoramos a notar sua presença. Quando isso ocorre, já pode ser tarde demais. A razão pode funcionar como uma muleta para justificar as atitudes que tomamos por medo. O sentimento nos mostra aquilo que precisaremos de coragem, e as vezes, até uma pitada de loucura para vivenciar em sua plenitude. Fato é que podemos ser racionalmente apaixonados. Não há motivos para divergir. Há a necessidade de fugirmos do pragmatismo do senso comum que nos reprime. Viver as emoções é experimentar a liberdade dos sentimentos puros que são gerados de forma natural no interior de cada um.

As nossas experiências frustradas podem nos levar a permanecer na superficialidade do ordinário. Fazemos uma auto-crueldade negando sentimentos, afastando possibilidades com medo do que poderá um dia acontecer. Não somos senhores do tempo. Somos escritores de nossas vidas, e ela é escrita minuto a minuto como uma obra de Saramago onde o ponto final se mostra longe de ser alcançado. Entretanto, nesses períodos simples e compostos, há nossa ação realizada e suas consequências gerando a nossa narrativa que se chama VIDA

As crianças são legais, mas as “estragamos”!

As crianças são legais, mas as “estragamos”!

Todos já fomos crianças. Chegamos ao mundo desprovidos de valores morais. Não sabíamos o que era certo ou errado, bonito ou feio. A convivência com outras pessoas mais velhas serviu para que elas transmitissem seus valores, e nós ávidos por informação prestávamos atenção em tudo! Até naquilo que o adulto não desejava que estivéssemos atentos. A educação em nosso ambiente social é carregada de valores. Reproduzimos os princípios familiares, os valores que aprendemos na escola e até o que nos chega no convívio com outras crianças. Para as crianças tudo é novidade, e há o gosto primitivo em aprender algo novo, sobretudo quando nos relacionamos com alguém que temos uma admiração. Prestamos atenção compenetrados, nossos “olhinhos” brilham, e logo em seguida estamos reproduzindo aquilo que conseguimos captar. Nesse processo é que entra o “vilão”, ou, aquele que foi vítima primeira, e que agora está ocupando o papel de pai, mãe, tios, dindos e etc. Levamos conceitos prontos, impomos valores que são como camisas de forças para as crianças. Fazemos isso nas mais diversas situações. A criança quando faz um desenho não sabe classifica-lo se é bonito ou feio, mas ao ver alguém o classifica-lo ela irá reproduzir a ação. Inserimos ideias que são “primitivas” e que irão se desenvolver ao longo da vida da pessoa. Muitos reclamam dizendo: aquela criança é chata! Entretanto, é ela que é “chata” ou os adultos a sua volta é que são os chatos? Parece um círculo vicioso e perverso, pois a criança de hoje será o adulto de amanhã que terá desenvolvido os conceitos, hábitos e valores, além de incorporar outras práticas que são características de nossa sociedade atual. Nesse processo endógeno vemos percebemos o enraizamento de valores sociais carregados de significados mesmo que nossa sociedade tente se portar de forma diferente. A prática difere do discurso proferido. Fazemos com que a criança incorpore cada vez mais cedo elementos da sociedade de consumo, a tratamos como adulto enquanto ainda são crianças, e as empurramos essa responsabilidade que não são delas, mas são nossas.

Confiança: exigimos, mas retribuímos?

Confiança: exigimos, mas retribuímos?

 

A confiança, como dizem, é a base para uma boa relação podendo ela ser de amizade, amorosa ou até mesmo uma relação virtual. O dicionário traz a definição: crença na probidade moral, na sinceridade, lealdade, competência, discrição etc. de outrem; crédito, fé; crença de que algo não falhará, de que é bem-feito ou forte o suficiente para cumprir sua função. Acredito que buscamos ela nas relações, pois a segurança ou lealdade, afasta de nós o medo da decepção ou nos ilude com a sensação de que ele está longe de acontecer. Desta maneira, esperamos um padrão de comportamento daquele(a) com quem nos relacionamos. Exigimos de forma subliminar uma postura e coerência nas atitudes tomadas, e quando elas não nos agradam abre-se espaço para cobrança. O ditado popular já diz: pau que bate em Chico, bate em Francisco. Só que nessa relação as nossas atitudes também são confiáveis? Estamos mais atentos olhando para o outro, e muitas vezes, esquecemos das nossas próprias atitudes ou somos tacanhos, e agimos de maneira a manter o foco no outro afim de que não sejamos questionados. Cobrar é muito mais fácil do que ser cobrado, e muitas vezes estabelece uma relação de poder, dominação sob o outro. Falta empatia para se colocar no lugar do outro; falta caráter para compreender que as ações tomadas são violentas; mais fortes até que uma agressão física. Um exercício até certo ponto utópico é trocar de posição. Seria como olhar no espelho, se colocar no lugar da imagem refletida e encarar você mesmo tendo ciências de todas as atitudes. Como você se encararia? Haveria cobrança? Qual seria a sua atitude?

O meu pior inimigo: Eu

O meu pior inimigo: Eu

Vivemos em sociedade; compartilhamos informações pessoais, notícias, fotos e todos os fatos que pensamos ser relevantes. As redes sociais têm o poder de nos fazer sentir contemplado. É estranho pensar como o número de “curtidas”, “likes” pode nos gerar sentimento de prazer. Criamos expectativas com base em posts; queremos ser vistos, notados e comentados. Convivemos em uma era tecnológica, e estamos cada vez mais sós. A internet vai no sentindo oposto, e é através da sensação proporcionada de proximidade com as pessoas que estão conectadas na rede temos o sentimento de realmente não estarmos sozinhos. Podemos nos relacionar com pessoas de regiões nunca antes imaginada. Entretanto, nos apoiamos nessa dinâmica de interação, na velocidade que as coisas acontecem dentro da rede. A vida fora dela segue outro ritmo bem mais lento, e não possui toda a “grandiosidade”.  O sentimento gerado pelo sentimento de pertencimento, por se sentir contemplado pelos amigos da rede, de um grupo que fazemos parte é entorpecente. Sejamos claros, somos hedonistas e estamos constantemente na busca pelo prazer. Ocorre que nessa relação virtual criamos expectativas internas e que estão totalmente dependentes de outras, os quais muitas vezes só estão presentes nas redes, e nem se quer realmente sabemos se são reais. Quando postamos algo na rede, estamos tendo uma ação social em que esperamos a reação do interlocutor virtual. A quebra dessa dinâmica escancara que de fato muitas vezes estamos sós. Buscamos a rede para saciar demandas criadas por nós, e que não podem ser alcançadas. Fica a questão: como na atual sociedade onde a autonomia é exacerbada ainda somos tão dependentes do outro ao ponto de usarmos a rede para não nos sentirmos sozinhos?

Déjà vu da vida.

Déjà vu da vida.

Muitos dizem que a história se repete; que ela é como uma espiral de caderno contendo pontos de intersecção; ou como Karl Marx disse: A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa. Certo é que podemos perceber em nossas vidas diversos momentos que temos a nítida sensação já ter passado por aquele momento. O nosso Déjà vu seria praticamente constante. Nietzsche, filosofo alemão desenvolveu o conceito chamado de Eterno Retorno. Na sua ideia, é como se a história se repetisse seguidamente, como o que hoje é conhecido como looping. Vivenciamos situações repetidas vezes e não nos damos conta. Vivenciamos situações em que trocamos de lado, e não paramos para refletir. É como a mulher que casa, e gera aquele sentimento na sogra de ter o filho roubado. Anos depois a história irá se repetir, mas dessa vez, a esposa estará no papel da sogra e poderá ter o mesmo sentimento que sua sogra teve anos atrás. De fato, a história se repete, mas as nossas posições não são as mesmas. Muitos dizem que devemos aprender com a vida (eu me incluo nesse hall), mas como diz Milan Kundera em A Insustentável Leveza do Ser é difícil aprender pois só se vive uma vez. Mesmo assim, a questão ainda permanece: Como aprender? Como ter a sensibilidade de perceber as sutilezas de cada situação? Qual seria o sentido na busca desse aprendizado? Eliminar erros pode significar talhar a liberdade, pois podemos estar predestinados ao “erro”. Qual o mal em “errar”?

Para além do bem e do mal

O ano de 2018 reserva para a população brasileira mais um pleito, porém, ele difere dos já ocorridos em toda a nossa história. O fluxo de informações que ocorre hoje nunca foi visto: as notícias chegam minuto a minuto e, com elas, os boatos. O mundo político sofre com a descrença provocada por seus personagens que, ao longo dos anos, tratam o bem público como empresa particular ou até mesmo como uma “galinha dos ovos de ouro”.

Os candidatos há tempos iniciaram suas ações para movimentar a base de apoiadores, mas ainda chegará o momento do confronto de ideias. A sociedade brasileira está machucada com os acontecimentos dos últimos anos; as manchetes dos meios de comunicação trouxeram muitas notícias de corrupção, redução do tamanho da economia e práticas da classe política em causa própria. Os fatores são somados com a realidade. O poder de compra foi reduzido, os salários foram, muitas vezes, diminuídos em prol da manutenção de cargos e o pensamento de que “é melhor se sujeitar a isso do que estar sem emprego” está presente em todas as camadas da população, que sofre com os choques na economia provocados pelos atos (de) políticos.

A próxima eleição não deverá ser como as anteriores e há uma série de fatores para justificar isso. É preciso pensar além da polarização eleitoral que já foi criada há alguns anos; é necessário ir além de ataques de seguidores de “mitos” ou políticos messiânicos que se colocam como a solução, mas que não apresentam propostas para a nação. Destruir é mais fácil do que construir.

Os debates serão espaços para o confronto de ideias e o (e)leitor deve, a todo momento, pontuar aquilo que deseja. No limite, o cidadão deseja um país melhor, com qualidade de vida, sem a perda de direitos sociais, capacidade de adquirir bens de consumo e qualidade na educação. Seria utópico desejar que os debates dessa eleição fugissem da rotina de ataques pessoais e partissem para a proposição de ideias realmente exequíveis? O que se faz de mais necessário em momento de crise é a oportunidade de novas ideias. As que já foram apresentadas mostram-se esgotadas e é necessário articulá-las com a realidade que está posta, desta maneira, fugindo do estelionato eleitoral. A conquista do voto deveria ser resultado de um projeto de nação feito pelo candidato e não de uma escolha do eleitor pelo “menos pior”.

-Não corra, Forest. Não corra!

-Não corra, Forest. Não corra!

A nossa trajetória é marcada pela busca. Desde os primeiros dias de nossas vidas as metas já fazem parte de nossa vida social, e nesse momento os objetivos são levados por nossos pais. O início é a busca pelos primeiros passos, depois as primeiras palavras e assim por diante. Sempre estamos correndo atrás de algo, e depois que chegamos ao nosso objetivo focamos em outro mais distante ainda. Ocorre que hoje mantemos esse padrão de comportamento, mas agora os objetivos a serem alcançados são bens materiais supérfluos e que nos encantam com o seu fetiche. Acreditamos piamente que ao atingir determinada meta encontraremos a felicidade plena, que comprar determinado item será o nosso Emplasto Brás Cubas resolvendo todas as nossas mazelas trazendo com ele a felicidade plena. O sabor da conquista é totalmente compreensivo, mas ao depositarmos toda nossa energia no resultado final nos esquecemos do processo que antecede. É o caso do atleta que fica pensando em como será desempenho em uma prova que tem grande importância para si. Ele sonhou com aquele momento, imagina-se na prova, e esquece que para ocorrer tudo o que deseja é necessário treinar (processo) dia após dia para só depois realizar seus anseios na participação da prova (resultado). O fim é resultado do empenho e dedicação durante o processo. Entretanto, é natural do nosso comportamento nessa sociedade contemporânea a busca pelo rápido resultado, e esse comportamento efêmero permeia todo o nosso comportamento humano. Temos a gana da rápida ascensão no mundo do trabalho; achamos que dedicar quatro anos para uma graduação é tempo demais; queremos tudo para ontem e não nos damos conta que não conseguimos aproveitar nossas próprias ações por conta do ritmo que seguimos e que não questionamos. Afinal, qual a necessidade de termos tanta pressa?

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: