Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

valores

Valores

Valores

A nossa trajetória é recheada de acontecimentos e significados que vão montando, formando os valores, moldando a nossa ética e a forma de agir. Os nossos pais tentam transmitir seus valores, junto deles, há valores morais da sociedade que estamos e daqueles companheiros que convivem conosco. Diariamente utilizamos valores próprios, os demonstramos quando nossas atitudes são assistidas e quando estamos isolados. Há uma natural preocupação com relação à opinião de terceiros. Quem nunca pensou antes de tomar uma decisão: O que vão pensar de mim? O que meus pais vão achar? Nessas situações usamos o nosso conjunto de valores, mas também ponderamos sobre o reflexo social da ação. Entretanto, essa inquietação pode ser ignorada – e deve ser-. Pois é quando não nos importamos com as opiniões ou reflexo de nossas atitudes que realmente demonstramos nosso valor, a nossa real forma de pensar, agir e aquilo que dentro de nós achamos certo.  A título de ilustração, uma simples situação capaz de exemplificar. Imagine-se passeando por uma praça cheia de famílias e crianças, todos brincam e também reparam sua a presença. Ninguém é estranho a ninguém. Você está comendo um lanche, mas ficou cheio e não quer mais. A sua intenção é livrar-se do lanche, contudo não há cesto de lixo próximo. Você jogaria o lanche no chão? Sua atitude seria imediatamente reprovada através dos olhares dos pais, poderia até ser interpelado por algum deles e ser cobrado pelo mau exemplo. Outra hipótese, para evitar tal situação: você levaria o lanche contigo até encontrar local apropriado, mesmo que isso lhe desagrade. Agora pense. O que teria pautado a sua decisão? Os valores próprios de não se importar em jogar um resto de comida no chão ou o receio de criar uma indisposição em ambiente público? O fato é que em diversas situações escondemos a nossa verdadeira forma de pensar e fazemos por conta de respeito, medo ou até mesmo a simples vontade de não gerar incomodo a nós mesmos. Mas qual o sentido de nos escondermos? A vida nos mostra que passamos por tantas situações que chega momento em que realmente mostramos o nosso real pensamento. Então não seria mais condizente e honesto com nós mesmo agirmos de acordo com a nossa forma de pensar desde o início?

Amizade

Amizade.

O laço afetivo está presente desde o dia em que nascemos. Somos convidados à interação social pelos nossos pais, e apresentados a diversas pessoas antes mesmo que pudéssemos balbuciar as primeiras palavras. A interação, no inicio, é através da expressão facial e do choro. Além do envolvimento com outros adultos somos apresentados a outros bebês. Desde o começo eles são classificados como “amiguinhos”. Os primeiros amigos iniciam vínculo por conta da vontade paterna. No decorrer da vida continuamos a praticar a aproximação social, mas dessa vez está presente a nossa vontade. O interesse guia as relações humanas. É através dele que a aproximação gera amizade, e as experiências compartilhadas nutrem o vínculo. Ocorre que, ao longo da vida acabamos mudando de escola, indo para universidade, mudando de bairro ou até mesmo de cidade. A cada nova mudança ocorre distanciamento dos amigos, mas as conexões verdadeiras continuam independentes da distância ou tempo sem ver um ao outro. Em nossa jornada é um processo natural e cíclico, pois a cada mudança temos a oportunidade de conhecer novas pessoas, criar novos vínculos. O importante é saber lidar com as mudanças e o sentimento de que os vínculos firmados servem para construir a nossa história e deixar a marca dos amigos em nós.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: