Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

sonho

Alienação.

Alienação.

alienação

A alienação tem por significado o processo em que a consciência se torna estranha a si mesma, afastada de sua real natureza. Deixar de ser alienado pode fazer com que questionemos a nossa realidade, nos faz ter a práxis, no sentido marxista de unir teoria e prática para mudar o mundo, alterar a nossa realidade. Entretanto é cada vez mais complicado o processo de reflexão, pois somos dragados por uma lógica que domina a nossa vida. Nem bem abrimos os olhos ao despertar e nossa mente já está nos lembrando dos compromissos que temos, nossas responsabilidades, nossos objetivos e metas que nós mesmos colocamos, mas que não paramos para pensar qual é o real efeito deles, e se realmente nos faz bem. A lógica nos obriga a sermos empreendedores de nossas vidas, e afim de que tenhamos as condições materiais para comprar temos que trabalhar, estudar e progredir e se não conseguimos a culpa é individual. Desta maneira agimos com um olhar único, uma visão que nos cega. É como o antolho (viseira) de um cavalo que o obriga a olhar somente para a direção daquele que está em seu lombo, e o ordena através de chamados com uma violência simbólica ou através do chicote com a violência física. Refletir e questionar a ordem tem seu preço, pois o sistema automaticamente excluí quem pensa diferente, e como diria Bauman, a sociedade de consumo entrega aquilo que promete. Estranho pensar isso, mas as redes sociais e seus grupos servem para mostrar como o interesse comum de determinado assunto serve para aglutinar aqueles de opinião próxima e afastar outros que divergem da opinião do grupo. Reproduzimos essa lógica nas nossas microrrelações e não notamos. A sociedade cada vez mais segmentada, que nos da ilusão de pertencimento a determinado grupo homogêneo de pensamento gera uma atitude de autoproteção do grupo, proteção da “matilha”. Assim praticamos atitudes sem as quais realmente paramos para pensar se concordamos, mas o nosso desejo de sentir contemplado, incluído em um grupo é muito maior. Não é simples pensar diferente. Será que é melhor não pensar e ficar com o sentimento de “identidade” que a nossa sociedade calcada no consumo oferece?

Conhece a ti mesmo?

Conhece a ti mesmo?

Nós temos uma maneira de agir e comportar. Nem sempre conseguimos perceber como atuamos, como repetimos nossas ações e comportamentos nas mais diversas situações. A repetição de situações análogas que passamos escapa a nossa vista e a falta do autoconhecimento impede que possamos notar essas sutilezas. Parece que é mais fácil notar esse movimento nos outros. Assim, somos bons observadores alheios, mas ruins na observação e identificação interna. Talvez seja um dos “n” motivos que levam mais e mais pessoas procurarem terapia. E sejamos sinceros, conhecimento não faz mal a ninguém e ainda mais nesse caso, onde conseguimos conhecer um pouco mais de nós mesmos. A agitação do dia a dia não permite espaço para reflexão, espaço para podermos ouvir a nossa vontade, pois estamos ligados a movimentos externos, dragados pelo mundo do trabalho com suas demandas intermináveis e que sugam as nossas energias, e paradigmas de comportamento que seguimos, mas sem saber por quê.  Porém é necessário ir contra a corrente, parar e olhar para dentro, pois sem isso não iremos nos cuidar e podemos nos tornar aquela árvore velha que ao nos deparar com ela tem um sua casca aparentemente saudável, mas está podre por dentro.

Nem tudo que reluz é ouro!

Nem tudo que reluz é ouro!

O dito popular que da nome a essa pequena reflexão pode ser interpretado em vários contextos com a similaridade da ilusão. Pretendo aqui remeter à nossa ilusão por algo novo – trabalho, curso, amizade, livro, filme, serie, viagem etc. Ela pode ser como a paixão, nos encantará profundamente, depois irá esfriar e tornar aquela atividade enfadonha, desestimulante. Os sentimentos: paixão e amor podem ser usados para caracterizar a nossa relação com as atividades que desempenhamos. Já ocorreu com você iniciar algo e isto mostrar-se totalmente apaixonante, fazer você sentir saudade e depois de um tempo ocorrer uma guinada de 180 graus? Seria como se você conhecesse melhor, e a partir desse novo ponto de vista, a sua visão mudasse completamente. O que encantara passa a ser desencanto. Claro que há a possibilidade de ocorrer “o amor à primeira vista”, e deve-se sentir privilegiado quando ocorre, pois isso é raro. Somos atraídos pelo “brilho”, que muitas vezes, nós mesmos geramos baseados em nossa interpretação com pouco conhecimento de causa. A nossa análise é baseada na superfície, e nos encantamos com ela, mas quando conhecemos a fundo ou nos deparamos com um interior é que mudamos de opinião. Notamos que nem tudo que reluz é ouro. Só descobrimos isso tentando, observando e “quebrando a cara”. Não há fórmula mágica. Tal como no relacionamento, o que tende a durar é o sentimento que brota naturalmente e que quando notamos já estamos totalmente envolvidos, entorpecidos. Assim como no amor, temos a possibilidade de aprender com nossos erros, acertos e vivermos diversas experiências.

Você NÃO vai conhecer o homem dos seus sonhos.

Você NÃO vai conhecer o homem dos seus sonhos.

O título do texto é uma referência ao filme de Woody Allen Você vai conhecer o homem dos seus sonhos (2010). Aqui não haverá uma sinopse ou análise do filme, mas uma reflexão sobre a idealização que fazemos sobre os parceiros que desejamos ter. A vida, duramente, nos ensina que entre o nosso desejo e a realidade há enorme diferença. Traçamos planos de como será o relacionamento almejado, o que iremos fazer com nosso parceiro e como será cada detalhe. Somos capazes de montar uma lista de requisitos e temos a esperança de encontrar a pessoa que atenda todos nossos anseios. Porém isso não ocorre de forma plena. É prazeroso o ato de sonhar com parceiro ideal e ingênuo também. Nesse processo imaginativo seria como olhar a Lua. Nós só conseguimos ver a parte iluminada pelo sol, mas não conseguimos ver a outra parte, aquela que está obscura. Na montagem do nosso personagem/parceiro a parte iluminada são as qualidades elencadas, mas optamos por não pensar nos defeitos. A utopia pessoal não abre espaço para imperfeições. Mas imaginemos viver ao lado de uma pessoa “perfeita”. Será que essa perfeição não irá incomodar? Um casal necessita viver por todos os momentos: bons, ruins, crises e etc. Cada momento pode representar uma mudança de paradigma e permite que um conheça melhor o outro. Como diria minha bisavó: Se você quer conhecer alguém como dois quilos de sal com ela. Os cardiologistas de plantão podem ficar tranquilos, pois é apenas uma metáfora que remete ao tempo necessário de convivência para maior conhecimento. Mesmo havendo todo esse tempo, há pessoas que conseguem nos surpreender com suas atitudes.  Assim, a nossa construção do personagem que irá entrar em nossa vida e compartilha-la é válida, mas não pode ser a nossa única ferramenta de seleção.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: