Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

sentimento

Flores para Algernon

As obras literárias são uma oportunidade de conhecer trabalhos que nos fazem crescer. O trabalho de escrever representa uma forma de colocar no papel ideias, sonhos, desejos e projetos de vida. Ao leitor fica o prazer de contemplar, apreender, questionar e, acima de tudo, a liberdade para relacionar o conteúdo do texto com o mundo externo.

Flores para Algernon é uma obra que foi escrita no ano de 1959 por Daniel Keyes. Ouso dizer que é um clássico da literatura porque trata de questões que são atemporais durante sua narrativa. A história tem como personagem central Charlie Gordon, que sofre de retardo mental. Charlie sempre é retratado como excelente rapaz e com qualidades que estão em patamar superior comparadas à sua inteligência. Mas o fato é que, desde a tenra infância, ele esteve sendo subjugado, maltratado e teve a violência direta e simbólica como parte de seu cotidiano nos ambientes em que estava. Sofreu na infância por amor não correspondido por uma companheira de sala e foi sabotado em sua tentativa pudica de aproximação com a amada, sofrendo com a ira dos irmãos dela. Dentro de casa, havia o conflito dos pais. A ânsia da mãe de inserir o menino de fato dentro das regras da sociedade, na busca por um desenvolvimento intelectual, se chocava diretamente com o desejo do pai de respeitar a autonomia da criança. O fato é que a infância não abandonou as lembranças de Charlie e, mesmo distante da família, ele foi em busca de um desejo íntimo de ficar inteligente. Não falta força de vontade e muito menos coragem. O personagem principal irá se submeter a uma cirurgia experimental com a intenção de solucionar seu retardo mental e, assim, ficar mais inteligente. O livro narra a história através dos relatórios escritos por Charlie e permite que o leitor note as mudanças na escrita e também na sua personalidade.

Cabe aqui um exercício de reflexão provocado pelo texto durante a leitura. O desejo de ficar inteligente é catalisador para Charlie, mas o que o motiva de fato é a tentativa de aprovação com tal atitude. Estranho pensar que acabamos agindo por tanto tempo acreditando ter a certeza do que nos motiva, mas no fundo as respostas que encontramos sozinhos não são a verdade. Temos dentro de nós um rol de pessoas importantes e a quem queremos satisfazer. Parece que nosso subconsciente vai elaborando a lista de forma velada sem que notemos a sua presença durante a ação. O que fica junto com a vontade de obter aprovação é o medo da desaprovação. Em um processo dicotômico ou até mesmo dialético, elas fazem com que tomemos nossas atitudes.

O processo iniciado de aprendizagem gera mudança interna, altera a forma como vemos as coisas, nosso senso crítico, e isso tem consequência direta na nossa relação com o meio social em que estamos inseridos. Sair do senso comum e fincar os pés no mundo crítico, adquirindo cada vez mais conhecimento, gera uma disparidade de nível acadêmico. Imagine aquela pessoa amável que sempre esteve ao seu lado e que tinha atitudes totalmente previsíveis, por conta da longa convivência com você, mudando completamente e começando a aprender de forma tão rápida. A mudança assusta a gente e o principal motivo é porque acabamos temendo aquilo que não conhecemos. A nossa reação quando estamos com medo tende a ser violenta porque estamos tentando nos proteger. Assim, a busca pela mudança interna gera consequências que não conseguimos calcular. Fica também implícito que nossos companheiros, amigos e pessoas com quem nos relacionamos acabam exercendo um tipo de controle que, de alguma maneira, nos limita. Seria como se fôssemos aprisionados naquele formato, naquela forma de desenvolvimento.

A mudança interna faz caminhos sem volta; mesmo voltando para o lugar de origem, podemos dizer que já não somos a mesma pessoa que outrora esteve naquele local. O desejo de inteligência não é um fim em si mesmo, ele é o processo para que outro objetivo seja alcançado: a aceitação social. Desde nosso primeiro processo de socialização, que ocorre dentro da família, buscamos a inserção e aprovação, depois, quando vamos para a escola, repetimos o processo. Afinal de contas, queremos ser bem-sucedidos e nossa sociedade prega valores e regras nos quais devemos nos encaixar e que, por isso, nos fazem ir em busca de sucesso. Quando não logramos sucesso, acabamos conhecendo o lado perverso: o da exclusão. Vivemos a dor de saber que temos desejos simples, mas que estes não são respeitados e que nossa atitude é sempre interpretada diferente das nossas reais intenções. Ainda, como resultado desse processo, recebemos junto da exclusão a violência física, que gera traumas.

As reflexões desse texto foram provocadas a partir do livro, mas também de toda trajetória que vivencio desde minha tenra idade. O processo de leitura é solitário por essência e é um momento de anomia (ausência de regras) em que nos desenvolvemos de acordo com nossa capacidade e autonomia. Temos mudanças internas, mas elas não são facilmente reverberadas. É como a mudança de horas do relógio porque sabemos que ela está ocorrendo, mas não é tão fácil notar a movimentação do ponteiro das horas. Assim, encerro o texto com um convite para leitura do livro Flores para Algernon. O desejo que a leitura ocorra e que faça sentido para o leitor faz parte da minha busca na produção de textos reflexivos. Dickens me mostrou, com sua obra, que acabamos sendo reféns de nossos desejos e até egoístas em nossa saga. Aprendendo com ele, sigo mais consciente de meus passos, mas sem deixar de lutar por minhas convicções porque penso que isso é o que nos move, é o que nos dá força para sair da cama depois de acordar.

Boa leitura, companheiros!

Razão e emoção.

                                                           Razão e emoção.

O senso comum diz que a razão diverge da emoção. Há ilustrações que mostram um cabo força entre eles representados respectivamente pelo cérebro e pelo coração. Mas por que esse dilema? Realizar esforços contrários a nossa própria vontade traz machucados profundos, e que por vezes demoramos a notar sua presença. Quando isso ocorre, já pode ser tarde demais. A razão pode funcionar como uma muleta para justificar as atitudes que tomamos por medo. O sentimento nos mostra aquilo que precisaremos de coragem, e as vezes, até uma pitada de loucura para vivenciar em sua plenitude. Fato é que podemos ser racionalmente apaixonados. Não há motivos para divergir. Há a necessidade de fugirmos do pragmatismo do senso comum que nos reprime. Viver as emoções é experimentar a liberdade dos sentimentos puros que são gerados de forma natural no interior de cada um.

As nossas experiências frustradas podem nos levar a permanecer na superficialidade do ordinário. Fazemos uma auto-crueldade negando sentimentos, afastando possibilidades com medo do que poderá um dia acontecer. Não somos senhores do tempo. Somos escritores de nossas vidas, e ela é escrita minuto a minuto como uma obra de Saramago onde o ponto final se mostra longe de ser alcançado. Entretanto, nesses períodos simples e compostos, há nossa ação realizada e suas consequências gerando a nossa narrativa que se chama VIDA

Porque um joelho ralado dói bem menos que um coração partido.

Porque um joelho ralado dói bem menos que um coração partido.

A frase que dá título ao texto é oriunda da música Era uma vez da cantora brasileira Kell Smith. Ouvindo a música essa frase chamou a atenção, e fez refletir sobre a infância e a vida adulta. Não importa a idade, a dor está presente. Entretanto, na infância sentimos a dor física de um joelho ralado, de um dedo do pé machucado ao tentar chutar a bola na casa da vizinha descalço ou por um brinquedo quebrado, uma pipa perdida. Naquele momento a dor física se mostra pesada, capaz de arrancar lágrimas e berros. Quando crescemos e conhecemos outros sentimentos, nos deparamos com a dor subjetiva. O conflito de interesses, relacionamentos, discussões e violências simbólicas passam a serem sentidos. Crescemos, deixamos de ser crianças, enfrentamos o mundo do trabalho e continuamos convivendo com a dor. No convívio social somos capazes de sofrer e também de magoar profundamente. As nossas atitudes podem ser muito mais doloridas do que joelho ralado. A nossa forma de agir, por mais racional que seja, é capaz de ferir os outros e a nós mesmos, mas nem sempre percebemos. Nos enchemos de soberba para justificar nossa atitude e desqualificar a ação dos outros. No fundo, a nossa ação busca a autoproteção no sentido de evitar a dor. Mantemos comportamento hedonista e egoísta tentando satisfazer nossos anseios. Somos adultos fortes fisicamente, mas fracos emocionalmente e que sentem mais dores do que quando éramos crianças.

Link para a música no YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=xJNKT9HAXRc

Eduardo e Monica

Eduardo e Monica

O título do texto remete a música do Legião Urbana. Apesar de não ser fã da banda, a letra me fez pensar que seria um bom tema a ser refletido, e suscitou uma questão: o que é necessário para estar junto de alguém? Para além das relações efêmeras e consumíveis da modernidade, ainda buscamos, no fundo, uma relação duradoura. Na tentativa de sermos racionais idealizamos o parceiro, quais deveriam ser os gostos, os tipos de filmes que eles iriam gostar e etc. No fundo, quando pensamos no parceiro de forma racional, estamos pensando em nós e de forma egoísta. A nossa idealização desrespeita o outro. A letra da música narra a história de dois personagens distintos, mas que após conversarem em uma festa estranha com gente esquisita, trocam telefone e sentem a vontade de se ver. O sentimento surgiu entre eles e foi nutrido por ambos. A relação vingou, eles tiveram futuro juntos, casados e com filhos. Renato Russo ainda deixa duas questões:

E quem um dia irá dizer

Que existe razão

Nas coisas feitas pelo coração?

E quem irá dizer

Que não existe razão?

A busca por essa resposta talvez seja algo utópico, e também desnecessário. O sentimento pode ser como aquela flor que brota na fissura do asfalto conseguindo vencer todas as adversidades a sua volta. Pode ser que pensar demais, problematizar impeça de vivenciar experiências, de dar chance ao sentimento surgir. O que encanta Eduardo a Monica e vice versa, não é a beleza, mas a conversa, o diferente aos olhos de cada um. Mais do que encontrar alguém que se assemelhe a nós, a música mostra como eles foram capazes de mostrar um mundo completamente novo, encantador. Havendo a união entre eles, mesmo assim, cada um fez a sua história, conquistou seus objetivos e juntos compartilharam as glorias e as dores.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: