Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

resenha

Flores para Algernon

As obras literárias são uma oportunidade de conhecer trabalhos que nos fazem crescer. O trabalho de escrever representa uma forma de colocar no papel ideias, sonhos, desejos e projetos de vida. Ao leitor fica o prazer de contemplar, apreender, questionar e, acima de tudo, a liberdade para relacionar o conteúdo do texto com o mundo externo.

Flores para Algernon é uma obra que foi escrita no ano de 1959 por Daniel Keyes. Ouso dizer que é um clássico da literatura porque trata de questões que são atemporais durante sua narrativa. A história tem como personagem central Charlie Gordon, que sofre de retardo mental. Charlie sempre é retratado como excelente rapaz e com qualidades que estão em patamar superior comparadas à sua inteligência. Mas o fato é que, desde a tenra infância, ele esteve sendo subjugado, maltratado e teve a violência direta e simbólica como parte de seu cotidiano nos ambientes em que estava. Sofreu na infância por amor não correspondido por uma companheira de sala e foi sabotado em sua tentativa pudica de aproximação com a amada, sofrendo com a ira dos irmãos dela. Dentro de casa, havia o conflito dos pais. A ânsia da mãe de inserir o menino de fato dentro das regras da sociedade, na busca por um desenvolvimento intelectual, se chocava diretamente com o desejo do pai de respeitar a autonomia da criança. O fato é que a infância não abandonou as lembranças de Charlie e, mesmo distante da família, ele foi em busca de um desejo íntimo de ficar inteligente. Não falta força de vontade e muito menos coragem. O personagem principal irá se submeter a uma cirurgia experimental com a intenção de solucionar seu retardo mental e, assim, ficar mais inteligente. O livro narra a história através dos relatórios escritos por Charlie e permite que o leitor note as mudanças na escrita e também na sua personalidade.

Cabe aqui um exercício de reflexão provocado pelo texto durante a leitura. O desejo de ficar inteligente é catalisador para Charlie, mas o que o motiva de fato é a tentativa de aprovação com tal atitude. Estranho pensar que acabamos agindo por tanto tempo acreditando ter a certeza do que nos motiva, mas no fundo as respostas que encontramos sozinhos não são a verdade. Temos dentro de nós um rol de pessoas importantes e a quem queremos satisfazer. Parece que nosso subconsciente vai elaborando a lista de forma velada sem que notemos a sua presença durante a ação. O que fica junto com a vontade de obter aprovação é o medo da desaprovação. Em um processo dicotômico ou até mesmo dialético, elas fazem com que tomemos nossas atitudes.

O processo iniciado de aprendizagem gera mudança interna, altera a forma como vemos as coisas, nosso senso crítico, e isso tem consequência direta na nossa relação com o meio social em que estamos inseridos. Sair do senso comum e fincar os pés no mundo crítico, adquirindo cada vez mais conhecimento, gera uma disparidade de nível acadêmico. Imagine aquela pessoa amável que sempre esteve ao seu lado e que tinha atitudes totalmente previsíveis, por conta da longa convivência com você, mudando completamente e começando a aprender de forma tão rápida. A mudança assusta a gente e o principal motivo é porque acabamos temendo aquilo que não conhecemos. A nossa reação quando estamos com medo tende a ser violenta porque estamos tentando nos proteger. Assim, a busca pela mudança interna gera consequências que não conseguimos calcular. Fica também implícito que nossos companheiros, amigos e pessoas com quem nos relacionamos acabam exercendo um tipo de controle que, de alguma maneira, nos limita. Seria como se fôssemos aprisionados naquele formato, naquela forma de desenvolvimento.

A mudança interna faz caminhos sem volta; mesmo voltando para o lugar de origem, podemos dizer que já não somos a mesma pessoa que outrora esteve naquele local. O desejo de inteligência não é um fim em si mesmo, ele é o processo para que outro objetivo seja alcançado: a aceitação social. Desde nosso primeiro processo de socialização, que ocorre dentro da família, buscamos a inserção e aprovação, depois, quando vamos para a escola, repetimos o processo. Afinal de contas, queremos ser bem-sucedidos e nossa sociedade prega valores e regras nos quais devemos nos encaixar e que, por isso, nos fazem ir em busca de sucesso. Quando não logramos sucesso, acabamos conhecendo o lado perverso: o da exclusão. Vivemos a dor de saber que temos desejos simples, mas que estes não são respeitados e que nossa atitude é sempre interpretada diferente das nossas reais intenções. Ainda, como resultado desse processo, recebemos junto da exclusão a violência física, que gera traumas.

As reflexões desse texto foram provocadas a partir do livro, mas também de toda trajetória que vivencio desde minha tenra idade. O processo de leitura é solitário por essência e é um momento de anomia (ausência de regras) em que nos desenvolvemos de acordo com nossa capacidade e autonomia. Temos mudanças internas, mas elas não são facilmente reverberadas. É como a mudança de horas do relógio porque sabemos que ela está ocorrendo, mas não é tão fácil notar a movimentação do ponteiro das horas. Assim, encerro o texto com um convite para leitura do livro Flores para Algernon. O desejo que a leitura ocorra e que faça sentido para o leitor faz parte da minha busca na produção de textos reflexivos. Dickens me mostrou, com sua obra, que acabamos sendo reféns de nossos desejos e até egoístas em nossa saga. Aprendendo com ele, sigo mais consciente de meus passos, mas sem deixar de lutar por minhas convicções porque penso que isso é o que nos move, é o que nos dá força para sair da cama depois de acordar.

Boa leitura, companheiros!

Deixe ir: As intermitências da Morte de José Saramago e o respeito pela morte.

Deixe ir: As intermitências da Morte de José Saramago e o respeito pela morte.

A literatura nos traz diversas abordagens sobre temas que comumente não discutimos ou preferimos não o fazer. José Saramago (1922-2010), escritor português e vencedor do Prêmio Nobel de literatura (1998), apresenta em suas obras, com sagacidade, críticas à sociedade. Seus livros demandam tempo, exigem certa experiência de leitura por conta de sua escrita sem ponto final e com períodos longos, que transforma a narrativa em uma história contada e exige um processo de compreensão da mente do autor. Entretanto, essa ação ocorre de forma natural devido aos constantes diálogos que o autor faz com seu leitor no texto e até de autocrítica, como no seguinte trecho do livro As intermitências da morte: “Os actores do dramático lance que acaba de ser descrito com desusada minúcia num relato que até agora havia preferido oferecer ao leitor curioso, por assim dizer, uma visão panorâmica dos factos, foram, quando da sua inopinada entrada em cena, socialmente classificados como camponeses pobres. O erro, resultante de uma impressão precipitada do narrador, de um exame que não passou de superficial, deverá, por respeito à verdade, ser imediatamente rectificado”.

Fato característico na literatura de José Saramago é a crítica irônica de instituições sociais, tais como, igreja, Governo, imprensa, crime organizado. Através de seu realismo fantástico, Saramago imagina como elas se comportam frente a determinados dilemas. Na obra, as chama de maphia, cuja grafia a diferencia da máfia, pois a primeira contribuiria para resolver a grave situação que assolava aquele ambiente (ausência da morte). Não compreendo, de que serve que se suicidem se não podem morrer, Estes sim, E como o conseguem, É uma história complicada, senhor, Conte-ma, estamos sós, No outro lado das fronteiras morre-se, senhor, Então quer dizer que essa tal organização os leva lá, Exactamente, Trata-se de uma organização benemérita, Ajuda-nos a retardar um pouco a acumulação de padecentes terminais, mas, como eu disse antes, é uma gota de água no oceano, E que organização é essa. O primeiro-ministro respirou fundo e disse, A máphia, senhor, A máphia, Sim senhor, a máphia, às vezes o estado não tem outro remédio que arranjar fora quem lhe faça os trabalhos sujos, Não me disse nada, Senhor, quis manter vossa majestade à margem do assunto, assumo a responsabilidade, E as tropas que estavam nas fronteiras, Tinham uma função a desempenhar, Que função, A de parecer um obstáculo à passagem dos suicidas e não o ser, Pensei que estavam lá para impedir uma invasão, Nunca houve esse perigo, de todo o modo estabelecemos acordos com os governos desses países, tudo está controlado.

As intermitências da morte apresenta uma situação extremamente fantasiosa e inusitada. A morte, já nas primeiras linhas do livro, é apresentada ao leitor e ambientalizada na história: “No dia seguinte ninguém morreu. O facto, por absolutamente contrário às normas da vida, causou nos espíritos uma perturbação enorme, efeito em todos os aspectos justificado, basta que nos lembremos de que não havia notícia para amostra, de ter alguma vez ocorrido fenômeno semelhante, passar-se um dia completo, com todas as pródigas vinte e quatro horas, contadas entre diurnas e nocturnas, matutinas e vespertinas, sem que tivesse sucedido um falecimento por doença, uma queda mortal, um suicídio levado a bom fim, nada de nada, pela palavra nada”. A situação, já apresentada, é de que a morte abandona aquela sociedade no primeiro dia do ano em um lugar fictício cujo nome não é revelado. As pessoas não morrem mais e, como nas palavras do autor, elas entram em estado de vida suspensa, morte. No entanto, os animais continuaram a morrer e fora daquele determinado território a morte não foi interrompida.

O problema gerado pela ausência da morte é abordado no livro em uma faceta seriada da história, pois as situações hipotéticas são tratadas quase que de forma hermética, por exemplo, a questão da lotação dos hospitais e os asilos que praticamente transformaram-se em cemitérios de vivos, o comportamento do Governo, das funerárias, do crime organizado, dos filósofos e até das famílias que convivem com entes que estão em estado de morte suspensa. No segundo momento da história, Saramago apresenta a morte, seu retorno e mudança em seu modo de proceder. Nesse segundo momento há uma humanização, personificação da morte em figura feminina e como ela é surpreendida por um romance com violoncelista que havia escapado de seu fim.

O escritor aborda a necessidade e a dificuldade encontradas por algumas pessoas que, de certa forma, precisam da morte. A interrupção da morte atinge a todos no ambiente tratado pelo livro. Os doentes terminais, enfermos sem curas e outros não conseguem alcançar a morte e o sofrimento é compartilhado pelas famílias e até pelo Governo, que busca solução para evitar convulsão social. A saída encontrada foi levar aqueles que necessitavam da morte para além da fronteira e depois regressar para o país possibilitando à família realizar o enterro. No atestado de óbito destas pessoas constava o suicídio. A personagem principal da obra traz a reflexão de que ela não é uma vilã da humanidade e Saramago mostra, em poucas palavras, essa ideia: A propósito, não resistiremos a recordar que a morte, por si mesma, sozinha, sem qualquer ajuda externa, sempre matou muito menos que o homem.

A temática da morte abordada por Saramago pode ser transportada para o nosso cotidiano e ajudar a lidar com esta questão. A conduta moral habitualmente adotada é a defesa da vida em qualquer circunstância. Mas qual é o sentido da vida? Imaginemos as diversas situações que ocorrem nas quais pessoas que têm uma trajetória pessoal marcada pela liberdade e a perda por algum motivo: acidente ou doença. A liberdade está conectada de forma intrínseca à independência e quando passamos para a condição de dependentes, perdemos nossa liberdade. A liberdade está ligada aos atos mais primitivos do ser humano: caminhar, se limpar, tomar um copo d’água.

A compreensão desse processo exige que enfrentemos dilemas morais e a superação da dor própria. O comum é que as pessoas que estão ao redor daquele que sofre com a privação da liberdade lute com todas as forças pela existência, mesmo que isso signifique uma subsistência. A intenção não é praticar uma apologia ao desapego à vida, mas tentar refletir sobre o valor de uma vida sem prazeres, sem liberdade de escolha e ação: total dependência. Se houver uma análise fria sobre diversos casos em que a luta contra a morte se arrasta por longos anos, veremos o desgaste de todos os envolvidos. A luta irá consumir recursos financeiros, físicos e psíquicos. O cansaço estará estampado no rosto e na postura. Será clara a situação. A campanha em prol da vida terá respeitado o enfermo ou terá satisfeito o desejo pessoal dos demais envolvidos em se julgaram na condição de desafiar a morte e manter, pelo máximo de tempo possível, a pessoa viva mesmo em condição de subsistência?

A morte é algo inevitável, a única certeza que temos em nossa vida e mesmo assim escolhemos viver. As escolhas feitas podem ser alteradas de acordo com as novas situações que são apresentadas. A decisão entre viver ou renunciar é tarefa hercúlea para o tomador da decisão e tão trabalhosa é a aceitação pelos que possuem laços afetivos. Porém, é um exercício de sabedoria o ato de respeitar a vontade, compreender que aquele é o último ato em vida e que a escolha pode representar o fim de uma dor imensa e que não pode ser compartilhada por completo, pois somente quem vive aquela situação a conhece e a sente. Assim, como Saramago demonstra em sua obra, a morte possui sua importância e deve ser respeitada por todos.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: