Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

relacionamento

Transparência.

Há uma frase conhecida: minha vida é um livro aberto. Aqueles que pronunciam ela, estão de alguma maneira anunciando que a própria vida está aberta ao leitor que deseja visita-la e que não há o que esconder. Entretanto, os livros não são os objetos mais fáceis de serem entendidos devido, muitas vezes, a complexidade da escrita e do pensamento de seus autores.

Nós, de alguma maneira voluntária ou involuntária, somos autores que dia após estamos escrevendo o capítulo de nossa história. As palavras, os parágrafos, períodos curtos ou longos que colocamos em nossas páginas facilitando ou dificultando o trabalho dos leitores que selecionamos podem representar a clareza ou ausência dela em nosso pensamento. As histórias que produzimos em nosso “trabalho” podem ser de difícil compreensão, e podem levar ao leitor a conclusão de que não estamos sendo sinceros, abertos, que optamos por esconder ideias, fatos, sentimentos ou que simplesmente omitimos algo. Acontece que essa atitude é involuntária, e que um texto confuso reflete uma mente confusa que está perdida. Texto claro é fruto da clareza de ideias.

O processo de criação é pessoal, e irá refletir os acontecimentos da vida de cada autor. Os bons momentos e vitórias são capítulos que queremos compartilhar, e se possível destacar, gastar o maior tempo possível sobre ele. As derrotas são momentos que queremos esconder, mas ao leitor atento todos os momentos são importantes. Porém cabe a empatia, saber lidar com a frustração de que nem sempre entendemos um texto em sua totalidade. Há exemplos do mundo concreto. Há grandes obras nas ciências que são lidas e relidas, e que em cada ato são descobertos novos apontamentos, significados e perspectivas.

Agora, como exigir a transparência de um autor que escreve involuntariamente desde o momento que veio ao mundo? Uma possível resposta do leitor seria: eu também escrevo e sou claro em minha própria obra! Mas será que isso ocorre? Será que a clareza está de acordo com a visão própria que leva você a ter tal pensamento? Acontece que nesse processo que envolve leitor e obra há desgaste e por consequência frustração. Até porque, quando iremos ler algo criamos de maneira direta ou indireta uma expectativa a respeito do que aquela obra irá nos trazer. Fazemos isso ao olhar a capa do livro, ler a sinopse, os primeiros capítulos e a cada página uma nova expectativa. Enquanto houver leitura, haverá espaço para decepção. Só que somos uma obra inacabada e nesse processo, leitor e obra tem vontade própria, assim a separação entre eles pode ocorrer. Para o leitor inicia a busca por uma nova obra que irá agradar seu paladar, e também irá refletir de forma direta em sua própria obra. Já o escritor involuntário vivencia o momento de encerrar o capitulo e iniciar um novo de maneira transitória, pois o assunto central será o leitor que outrora estava a folhear suas páginas e que lhe aquecia sua capa e tomo.

Ciclo

Ciclo.

O conceito de Eterno Retorno propõe uma repetição do mundo no qual ele se recria após se extinguir. A abstração parece necessária para compreender este conceito do campo filosófico e que parece distante da realidade vivenciada, mas ele está presente no nosso cotidiano. As relações humanas, sobretudo as do campo afetivo seguem esse padrão. Respeitemos as individualidades e as escolhas de cada um, o conceito pode ser enxergado. Quem nunca houve a frase “todo o fim é um recomeço”? Ela que normalmente é dita como paliativo para nosso sofrimento, e por alguém que demonstra empatia por nossa dor momentânea. Todos sofremos por amor pelo menos uma vez em nossa trajetória, e as vezes, a dor pode ser tão grande que nos fechamos para este sentimento por medo. Aqueles que seguem em frente acabam criando seu novo mundo após a destruição do anterior. É algo natural do ser humano, pois somos hedonistas e que gostamos de ser contemplados por nossos parceiros. Além do mais, ter alguém é sinal de vitória. O doce sabor da conquista é ainda mais saboreado por aqueles que já provaram o amargor da rejeição e do insucesso.

A grande curiosidade é que não notamos a forma como operamos. Vamos seguindo em frente como um barco à deriva e que está sendo guiado pelas águas e pela pelo vento. Não sabemos onde vamos atracar. O momento em que estamos perdidos é como o fim de um relacionamento. Ficamos desesperados, não sabemos como agir e por mais que essa situação não seja novidade, nós ainda experimentamos sensações comuns a todos como a dor, angústia e o desespero. O tempo cumpre a sua função. Nos acalmamos. Passamos a notar que podemos voltar a controlar nossa trajetória, mesmo não sabendo em qual terra iremos chegar. Nesse momento podemos conhecer novos ambientes, e as nossas experiências passadas irão moldar o nosso gosto. Podemos ficar ressabiados, arredios pulando de ilha em ilha e jamais fixando morada. Mas haverá o momento em que algo chamará a nossa atenção, e que mesmo sem saber o porquê, iremos recomeçar a nossa trajetória. Iremos ter nosso processo de encantamento, de descobrimento. A nossa mente, junto de nosso coração, irá criar narrativas que justifique nosso desejo. É o que chamamos de afinidades e que são baseadas em nossas interpretações sobre as atitudes do outro. Nesse momento nosso sentimento terá dois caminhos possíveis: paixão e o amor. Não é que um exclua o outro, mas é de suma importância saber interpretar a diferença que há entre eles. A paixão é forte, avassaladora, nos tira do eixo racional e acima de tudo efêmera. O amor é sereno, pleno e duradouro, é um sentimento maduro que nos conforta de maneira sublime. Assim, o ciclo chega ao ápice. A maneira como a relação ou esse processo de tomada do novo ambiente irá ocorrer irá depender também de fatores externos e que fogem a nossa vontade. Somos senhores de nossos destinos, mas não de nossas relações pois elas são feitas a quatro mãos. O cenário já está pronto para iniciar o processo de extinção, e nem nos demos conta.

Porque só o amor não basta.

Porque só o amor não basta.

 

As relações em que o amor está presente são as melhores, e ele pode ser sentido de diversas formas. Entretanto, o amor é o elemento mantenedor forte suficiente para uma relação? No século XXI ainda nutrimos o mesmo sentimento amoroso de outrora, e acreditamos que havendo sua presença, a relação terá seu sucesso garantido. Mudamos ao longo de nossa história, e a forma de amar também é alterada, já que seus atores não são mais os mesmos. Hoje demonstramos a capacidade de nutrir sentimento por alguém que nunca vimos pessoalmente, mas que através de mensagens se faz presente; conseguimos nos apaixonar por imagens que criamos por base em nossas interpretações de atitudes daqueles que só estão presente virtualmente; enganchamos-nos com pessoas do nosso cotidiano, com estranhos ou com amigos que conseguem nos contemplar, suprir necessidades que nem se quer sabemos que temos. A realidade nua e crua é de que criamos um sentimento, geramos expectativas e torcemos piamente para que eles sejam correspondidos, mas nem sempre é possível. Além do amor, a convivência é algo tão importante quanto aquilo que sentimos pela pessoa, e se não conseguimos conviver com o outro, o amor não será suficiente para nos manter unidos. Não gostamos da dor, da perda, do fim e lutamos para que aquilo que gostamos permaneça, porém essa luta ou adiamento do fim pode gerar mais dor aos envolvidos na relação. Ela nem sempre é percebida, mas como então toda relação, há aquele que gosta mais, aquele que é mais racional, mais sensível e conseguem notar a deterioração da relação e aí uma série de motivos podem ser elencados para essa percepção, pois a pessoa pode se sentir sufocada com a relação, ter sentimento de tristeza, se sentir obrigada a estar com a outra pessoa por já ter compromisso firmado, etc. Nesse momento não percebemos que o apego pelo outro tomou o lugar do amor, e por isso há a dependência da presença. A separação, por mais traumática e dolorida que seja, é o caminho- correto ou não, só o tempo irá dizer-, mas permanecer inerte é ignorar a dor de quem está ao seu lado, é não enxergar a própria situação. Não se deve acreditar que só se vive o amor uma vez, é preciso ter coragem para amar e tendo ela, receberemos nosso bônus ao invés da punição do pecado de acreditar que só se vive uma vez.

Novas relações, velhos sentimentos

Novas relações,  velhos sentimentos

As relações amorosas estão sendo transformadas. Na era da modernidade e do consumo, elas passaram a ser mais um produto. A mudança ocorre de maneira rápida e afeta todas as gerações. Atualmente não é mais necessário sair de casa para conhecer alguém. A internet possibilita a conexão entre as pessoas, e faz com que, através de aplicativos e sites de relacionamentos, a Web funcione como um dia a praça de sua cidade já foi. Ela já foi ambiente de interação social e capaz de iniciar relacionamentos que geraram novas famílias. O habito de homens e mulheres andarem em sentidos contrários na praça praticamente não existe mais. O processo de flerte era rudimentar se comparado aos dias atuais. Na praça, homens e mulheres usavam suas “armas”: olhar, um flerte, um sorriso. As artimanhas eram simples e singelas, assim como a ambição. A meta era encontrar alguém e seguir o “caminho natural” constituir família e ter filho. Atualmente a visão de mundo é outra. Não é que não existam pessoas que queiram o matrimonio, mas há novos elementos a serem ponderados. Os objetivos mudam em cada geração, e a vida profissional tomou uma preponderância. Apesar de o dinheiro ter tomado uma importância maior, ainda queremos ter um parceiro para dividir os momentos. No entanto, agora procuramos parceiros que estejam alinhados aos nossos objetivos. Desta maneira, tentamos viver como seres unicamente racionais se importam com a vida profissional e tentamos atingir sonhos pessoais. Outro traço que mudou e que tem a mesma importância é a individualidade. Somos estimulados ao individualismo, a nos sentirmos únicos. Apesar de toda essa mudança no relacionamento, há uma coisa que não muda: o sentimento, o amar. As relações são afetadas por diversos elementos do mundo contemporâneo, mas o sentimento permanece atemporal, e o sofrimento por ele provocado ainda é o mesmo. Muitos buscam relacionamentos efêmeros e casuais pensando serem imunes. A praticamente comumente chamada de “praticando o desapego” funciona perfeitamente na teoria, mas a prática comumente mostra-se bem diferente. Ao relacionar-se com alguém é inevitável a criação de um sentimento pela pessoa, de um carinho por ela. No inicio não é notado, mas é como se a outra pessoa fosse adentrando em nossa vida, e só notássemos isso quando ela não está mais presente. É nesse momento em que nos damos conta de que realmente havia um sentimento pela pessoa, mas pode ser tarde para recuperá-la. O sofrimento aparece, e em uma relação não existem indivíduos imunes aos sentimentos. O externo a nós é alheio as nossas vontades, é alterado dia após dia, hora após hora, minuto a minuto, mas os sentimentos permanecem inalterados. A maneira como as relações são iniciadas, desenvolvidas e terminadas podem ser alteradas, mas o sentimento, por hora, permanece o mesmo ao longo de nossa história.

O vidente em causa própria.

O vidente em causa própria.

O vidente é aquele que faz diversas previsões. Nós também fazemos o mesmo cotidianamente, e em nossas reflexões sobre a vida alheia sentenciamos o futuro, assim como Nostradamus o fazia. Mas nossas “previsões”, palpites sobre a vida de outrem não é registrada. Às vezes compartilhamos com aquele(a) que está ao nosso lado em uma conversa informal. Somos capazes de definir o futuro de casais a primeira vista. Estranho esse nosso “poder”, pois, aquele que está do lado de fora da relação nunca sabe de fato o que ocorre entre o casal. Porém, a intenção desse texto não está debruçada sob terceiros. A ideia é refletir sobre as nossas atitudes em nossos relacionamentos. Se no relacionamento de terceiros conseguimos julgar de forma sumária. Qual o nosso comportamento frente às relações que vivemos? A relação na modernidade é cada vez mais efêmera e segue a dinâmica de um produto em que compramos, usamos e depois descartamos. Mas quando iniciamos a relação não deveríamos ter em nossa mente a intenção de ser algo duradouro? Não somos capazes exercer a função de “videntes” e prever o destino das relações que vivemos? Suponha que você conheça alguém, e que logo de imediato tal pessoa complete suas expectativas, se mostre uma pessoa encantadora e lhe traga à mente a questão: como pude viver tanto tempo sem ele(a)? Entretanto, a sua “previsão” é de que a relação não será duradoura, que um acabará machucando o outro e que no final o “conto de fadas” se torna em um conto dos irmãos Grimm. Qual a sua reação? Teria coragem hercúlea de terminar tudo, aguentar a dor e seguir seu caminho? Encararia a relação com seus momentos bons, ruins e viveria na plenitude tudo o que a relação pode proporcionar tanto a dor quanto o amor? Para apimentar a questão, no momento da revelação do destino, seria aquele momento em que nos percebemos realmente envolvidos. Aquele momento em que você sente um vazio quando a pessoa não está ao seu lado, que o dia sem receber suas mensagens tem as horas passadas “lentamente” e que ao tempo ao lado dela passe voando. Nessa situação, qual seria sua atitude?

Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas?

Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas?

A frase celebre do livro Pequeno Príncipe é aqui transformada em questão. A tentativa é de refletir sobre ela a luz das relações nos dias atuais. A tecnologia alterou de forma profunda os vínculos sociais. As futuras gerações encararão maiores transformações. O certo é que a relação hoje se parece e muito com algo comercial, e se não gostamos do “produto” logo descartamos. O descarte ocorre cotidianamente. Pense: quantas pessoas adicionamos no Facebook; quantas ignoramos sumariamente pelos mais diversos motivos. Ao iniciar “amizade” no mundo virtual deparamos com o que foi projetado pela pessoa, fotos selecionadas, frases de livros que muitas vezes nunca foram lidos de fato são colocadas para descrever o perfil. É um jogo onde não há inocentes. A construção do personagem ocorre de ambos os lados. Nesse embate projetamos quem gostaríamos de ser e não quem realmente somos. O encantamento inicial é pela interpretação da imagem projetada pelo outro. Falta realidade na relação e sobra idealização. O personagem mascara aquilo que gostaríamos de esconder, as nossas perdas e dores. O fato é que todos se machucam – são traídos, enganados ou sofreram algum desapontamento -, mas cada um precisa resolver sua própria situação. Diante deste quadro, a frase do livro faz sentido? Podemos ser responsáveis por cativar em um jogo em que cada jogador esconde sua real face?

Medo, desejo, sentimento, confiança: a construção da relação.

Medo, desejo, sentimento, confiança: a construção da relação.

A relação humana é algo sublime. Temos diversas experiências durante toda a nossa vida. Há laços de amizade, afetividade, afinidade e amor que são criadas no dia a dia e podem surgir em qualquer ambiente. Temos a capacidade conversar e compartilhar opiniões até em filas. Seria como se o tédio de ter que esperar fosse compartilhado, e a breve conversa torna o momento menos sofrível ou mais prazeroso. As pessoas com quem nos relacionamos de forma duradoura acabam adentrando em nossa vida. Alguns entram, e nem percebemos como e quando isso ocorreu. Notamos a partir do nível de intimidade que é tão grande, mas o tempo de convívio ainda é pequeno. Se os envolvidos estão de acordo, não há nada de errado.

As relações são uma construção a quatro mãos em que a vontade de cada um deve ser colocada e respeitada. Hoje há outras formas de relação que pouco tempo atrás não se poderia imaginar, mas que, de certo de modo, mantém características da amizade. Acredito que elas compartilham de premissas que servem como estanque para sua longevidade e qualidade. A confiança, sinceridade, lealdade e o compromisso são elementos fundadores, porém podem variar seu grau de importância de acordo com cada envolvido.

O convívio humano não é como receita de bolo. Pode ser que os mesmos elementos do parágrafo anterior não façam o menor sentido para você, leitor. O fato é que eles estão presentes. Todavia, a construção da relação será o momento de ajustar o que é imprescindível, o que é supérfluo. O encantamento nela é que a construção nunca estará acabada e pode ser ajustada a cada momento. O ajuste, porém, pode significar o término. O fim é algo dolorido e que nos marca profundamente. A dinâmica de ajuste pode implicar cobrança e cada um reage a sua maneira a ela. Acredito que em um relacionamento há cobrança, mas ela não deve significar aprisionamento. A relação deve ser algo que traga prazer para os envolvidos e se um não está de acordo, certamente algo está errado. A conversa sincera é uma via de solução, porém deve-se superar o medo que há de magoar quem se gosta e expor sua opinião, vontade. Não expor seus sentimentos por medo acaba minando a relação. É como infiltração na casa que você não percebe, e quando nota já pode ser tarde demais.

Manter uma relação não é tarefa simples. Talvez deva ser porque ninguém seja fácil de lidar. Quando estamos incomodados, qualquer coisa nos irrita. Se há barulho o problema é o som e se não há o problema passa a ser silêncio. Assim, somos (eu me incluo) um bando de “chatos” tentando nos relacionar.

Você NÃO vai conhecer o homem dos seus sonhos.

Você NÃO vai conhecer o homem dos seus sonhos.

O título do texto é uma referência ao filme de Woody Allen Você vai conhecer o homem dos seus sonhos (2010). Aqui não haverá uma sinopse ou análise do filme, mas uma reflexão sobre a idealização que fazemos sobre os parceiros que desejamos ter. A vida, duramente, nos ensina que entre o nosso desejo e a realidade há enorme diferença. Traçamos planos de como será o relacionamento almejado, o que iremos fazer com nosso parceiro e como será cada detalhe. Somos capazes de montar uma lista de requisitos e temos a esperança de encontrar a pessoa que atenda todos nossos anseios. Porém isso não ocorre de forma plena. É prazeroso o ato de sonhar com parceiro ideal e ingênuo também. Nesse processo imaginativo seria como olhar a Lua. Nós só conseguimos ver a parte iluminada pelo sol, mas não conseguimos ver a outra parte, aquela que está obscura. Na montagem do nosso personagem/parceiro a parte iluminada são as qualidades elencadas, mas optamos por não pensar nos defeitos. A utopia pessoal não abre espaço para imperfeições. Mas imaginemos viver ao lado de uma pessoa “perfeita”. Será que essa perfeição não irá incomodar? Um casal necessita viver por todos os momentos: bons, ruins, crises e etc. Cada momento pode representar uma mudança de paradigma e permite que um conheça melhor o outro. Como diria minha bisavó: Se você quer conhecer alguém como dois quilos de sal com ela. Os cardiologistas de plantão podem ficar tranquilos, pois é apenas uma metáfora que remete ao tempo necessário de convivência para maior conhecimento. Mesmo havendo todo esse tempo, há pessoas que conseguem nos surpreender com suas atitudes.  Assim, a nossa construção do personagem que irá entrar em nossa vida e compartilha-la é válida, mas não pode ser a nossa única ferramenta de seleção.

Silêncio a dois

Silêncio a dois.

A busca por um parceiro afetivo é algo comum. Cada pessoa cria suas expectativas, vislumbra como seria o parceiro ideal e a busca ocorre em nossa vida social. A relação iniciada é um aprendizado. As primeiras, quando revistas, demonstram nossa visão sobre o assunto, revela nossa inocência e imaturidade. Há casais que conseguem superar os percalços e ter uma vida plena em companhia desde o primeiro namoro. O sentimento chamado amor, aquele que representa o desejo que sentimos pela outra pela pessoa, pela saudade que ela gera em sua ausência e até mesmo por aquele “friozinho” na barriga momentos antes do encontro, é algo que quando compartilhado engrandece a relação. A retribuição do que sentimos faz com que nossos sentimentos sejam contemplados. A nossa feição é alterada: é a tal cara de apaixonado. O ponto comum dessa retribuição se encontra na frase: “amar e ser amado”. Dentro dessa relação, dessa proximidade e da intimidade há momentos em que não se faz necessário uma palavra para ser compreendido. O olhar, gesto ou atitude pode ser mais significativo do que mil palavras ditas. Além disso, a companhia da outra pessoa e somente o estar ao lado dela pode representar preenchimento de sentimento. Assim, até mesmo o silêncio a dois pode ter significados únicos e maiores do que conversas vazias ou protocolares. Esse momento sublime pode representar a sintonia entre o casal, pois para seu entendimento não é necessário diálogo e não há espaço para questionamentos sobre o outro ou sobre o que ele está pensando, pois é senso comum de que estão juntos de corpo e “alma”.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: