Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

reflexão

Flores para Algernon

As obras literárias são uma oportunidade de conhecer trabalhos que nos fazem crescer. O trabalho de escrever representa uma forma de colocar no papel ideias, sonhos, desejos e projetos de vida. Ao leitor fica o prazer de contemplar, apreender, questionar e, acima de tudo, a liberdade para relacionar o conteúdo do texto com o mundo externo.

Flores para Algernon é uma obra que foi escrita no ano de 1959 por Daniel Keyes. Ouso dizer que é um clássico da literatura porque trata de questões que são atemporais durante sua narrativa. A história tem como personagem central Charlie Gordon, que sofre de retardo mental. Charlie sempre é retratado como excelente rapaz e com qualidades que estão em patamar superior comparadas à sua inteligência. Mas o fato é que, desde a tenra infância, ele esteve sendo subjugado, maltratado e teve a violência direta e simbólica como parte de seu cotidiano nos ambientes em que estava. Sofreu na infância por amor não correspondido por uma companheira de sala e foi sabotado em sua tentativa pudica de aproximação com a amada, sofrendo com a ira dos irmãos dela. Dentro de casa, havia o conflito dos pais. A ânsia da mãe de inserir o menino de fato dentro das regras da sociedade, na busca por um desenvolvimento intelectual, se chocava diretamente com o desejo do pai de respeitar a autonomia da criança. O fato é que a infância não abandonou as lembranças de Charlie e, mesmo distante da família, ele foi em busca de um desejo íntimo de ficar inteligente. Não falta força de vontade e muito menos coragem. O personagem principal irá se submeter a uma cirurgia experimental com a intenção de solucionar seu retardo mental e, assim, ficar mais inteligente. O livro narra a história através dos relatórios escritos por Charlie e permite que o leitor note as mudanças na escrita e também na sua personalidade.

Cabe aqui um exercício de reflexão provocado pelo texto durante a leitura. O desejo de ficar inteligente é catalisador para Charlie, mas o que o motiva de fato é a tentativa de aprovação com tal atitude. Estranho pensar que acabamos agindo por tanto tempo acreditando ter a certeza do que nos motiva, mas no fundo as respostas que encontramos sozinhos não são a verdade. Temos dentro de nós um rol de pessoas importantes e a quem queremos satisfazer. Parece que nosso subconsciente vai elaborando a lista de forma velada sem que notemos a sua presença durante a ação. O que fica junto com a vontade de obter aprovação é o medo da desaprovação. Em um processo dicotômico ou até mesmo dialético, elas fazem com que tomemos nossas atitudes.

O processo iniciado de aprendizagem gera mudança interna, altera a forma como vemos as coisas, nosso senso crítico, e isso tem consequência direta na nossa relação com o meio social em que estamos inseridos. Sair do senso comum e fincar os pés no mundo crítico, adquirindo cada vez mais conhecimento, gera uma disparidade de nível acadêmico. Imagine aquela pessoa amável que sempre esteve ao seu lado e que tinha atitudes totalmente previsíveis, por conta da longa convivência com você, mudando completamente e começando a aprender de forma tão rápida. A mudança assusta a gente e o principal motivo é porque acabamos temendo aquilo que não conhecemos. A nossa reação quando estamos com medo tende a ser violenta porque estamos tentando nos proteger. Assim, a busca pela mudança interna gera consequências que não conseguimos calcular. Fica também implícito que nossos companheiros, amigos e pessoas com quem nos relacionamos acabam exercendo um tipo de controle que, de alguma maneira, nos limita. Seria como se fôssemos aprisionados naquele formato, naquela forma de desenvolvimento.

A mudança interna faz caminhos sem volta; mesmo voltando para o lugar de origem, podemos dizer que já não somos a mesma pessoa que outrora esteve naquele local. O desejo de inteligência não é um fim em si mesmo, ele é o processo para que outro objetivo seja alcançado: a aceitação social. Desde nosso primeiro processo de socialização, que ocorre dentro da família, buscamos a inserção e aprovação, depois, quando vamos para a escola, repetimos o processo. Afinal de contas, queremos ser bem-sucedidos e nossa sociedade prega valores e regras nos quais devemos nos encaixar e que, por isso, nos fazem ir em busca de sucesso. Quando não logramos sucesso, acabamos conhecendo o lado perverso: o da exclusão. Vivemos a dor de saber que temos desejos simples, mas que estes não são respeitados e que nossa atitude é sempre interpretada diferente das nossas reais intenções. Ainda, como resultado desse processo, recebemos junto da exclusão a violência física, que gera traumas.

As reflexões desse texto foram provocadas a partir do livro, mas também de toda trajetória que vivencio desde minha tenra idade. O processo de leitura é solitário por essência e é um momento de anomia (ausência de regras) em que nos desenvolvemos de acordo com nossa capacidade e autonomia. Temos mudanças internas, mas elas não são facilmente reverberadas. É como a mudança de horas do relógio porque sabemos que ela está ocorrendo, mas não é tão fácil notar a movimentação do ponteiro das horas. Assim, encerro o texto com um convite para leitura do livro Flores para Algernon. O desejo que a leitura ocorra e que faça sentido para o leitor faz parte da minha busca na produção de textos reflexivos. Dickens me mostrou, com sua obra, que acabamos sendo reféns de nossos desejos e até egoístas em nossa saga. Aprendendo com ele, sigo mais consciente de meus passos, mas sem deixar de lutar por minhas convicções porque penso que isso é o que nos move, é o que nos dá força para sair da cama depois de acordar.

Boa leitura, companheiros!

Tornou-me raro entre os demais

O título desse texto é retirado de um livro chamado “Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios” (fica a dica de leitura!!! Livro ótimo e história diria que pesada). Ela leva a reflexão para além do texto, caro leitor. Ao longo de nossa jornada, nos relacionamos diariamente, criamos diversos tipos de relação. Contudo, há aquelas que nos cativam e que geram o desejo inconsciente de proximidade com o outro. Aqui não está somente a relação amorosa, pois esse movimento perpassa as atividades que fazemos. Isso ocorre dentro do seio familiar, na escola, trabalho e até mesmo nos ambientes virtuais em que a sensação de proximidade já nos satisfaz de alguma maneira com a troca de mensagens ou comentários. No fundo, penso que está o nosso desejo subconsciente de termos atenção, de nos sentirmos completados. Afinal de contas, quem é que não gosta daquela relação em que parece haver uma comunicação por telepatia, que desejos são revelados sem que nenhuma palavra seja dita?

Queremos ser incluídos, fazer parte do grupo e aí estamos em uma relação ampla, em um contexto macro. Entretanto, na maioria das vezes essa é uma relação pequena, particular e, portanto, um cenário micro em que nos revelamos, nos desnudamos. Na frente das demais pessoas, tendemos a assumir posições que muitas vezes são contraditórias com as posições que temos quando estamos com alguém em quem confiamos, que nos completa. Está é aquela pessoa com quem temos um pacto selado. Assim parece que mergulhamos no mar de pessoas à espera de ser fisgado ou fisgar outro peixe para que possamos construir tal vínculo. Acontece que essa metáfora se repete em um looping. Pense em quantas relações você já teve esse tipo de conexão, porque nem todas duram. Algumas estão vinculadas a determinados momentos de nossa vida e isso não implica haver culpados por ela não ter mais validade, mas porque nós, atores sociais, mudamos e estamos sujeitos ao espírito do tempo. Assim, alteramos nosso padrão de valores e aquela piada, que antes nos fazia rir até a barriga doer, hoje perdeu totalmente o sentido.

Concluo minha breve divagação sem a pretensão de uma resposta final, pois também estou ligado ao espírito do tempo e essas ideias que vieram à minha mente e coração podem não ter a mesma relevância amanhã ou depois.

Transparência.

Há uma frase conhecida: minha vida é um livro aberto. Aqueles que pronunciam ela, estão de alguma maneira anunciando que a própria vida está aberta ao leitor que deseja visita-la e que não há o que esconder. Entretanto, os livros não são os objetos mais fáceis de serem entendidos devido, muitas vezes, a complexidade da escrita e do pensamento de seus autores.

Nós, de alguma maneira voluntária ou involuntária, somos autores que dia após estamos escrevendo o capítulo de nossa história. As palavras, os parágrafos, períodos curtos ou longos que colocamos em nossas páginas facilitando ou dificultando o trabalho dos leitores que selecionamos podem representar a clareza ou ausência dela em nosso pensamento. As histórias que produzimos em nosso “trabalho” podem ser de difícil compreensão, e podem levar ao leitor a conclusão de que não estamos sendo sinceros, abertos, que optamos por esconder ideias, fatos, sentimentos ou que simplesmente omitimos algo. Acontece que essa atitude é involuntária, e que um texto confuso reflete uma mente confusa que está perdida. Texto claro é fruto da clareza de ideias.

O processo de criação é pessoal, e irá refletir os acontecimentos da vida de cada autor. Os bons momentos e vitórias são capítulos que queremos compartilhar, e se possível destacar, gastar o maior tempo possível sobre ele. As derrotas são momentos que queremos esconder, mas ao leitor atento todos os momentos são importantes. Porém cabe a empatia, saber lidar com a frustração de que nem sempre entendemos um texto em sua totalidade. Há exemplos do mundo concreto. Há grandes obras nas ciências que são lidas e relidas, e que em cada ato são descobertos novos apontamentos, significados e perspectivas.

Agora, como exigir a transparência de um autor que escreve involuntariamente desde o momento que veio ao mundo? Uma possível resposta do leitor seria: eu também escrevo e sou claro em minha própria obra! Mas será que isso ocorre? Será que a clareza está de acordo com a visão própria que leva você a ter tal pensamento? Acontece que nesse processo que envolve leitor e obra há desgaste e por consequência frustração. Até porque, quando iremos ler algo criamos de maneira direta ou indireta uma expectativa a respeito do que aquela obra irá nos trazer. Fazemos isso ao olhar a capa do livro, ler a sinopse, os primeiros capítulos e a cada página uma nova expectativa. Enquanto houver leitura, haverá espaço para decepção. Só que somos uma obra inacabada e nesse processo, leitor e obra tem vontade própria, assim a separação entre eles pode ocorrer. Para o leitor inicia a busca por uma nova obra que irá agradar seu paladar, e também irá refletir de forma direta em sua própria obra. Já o escritor involuntário vivencia o momento de encerrar o capitulo e iniciar um novo de maneira transitória, pois o assunto central será o leitor que outrora estava a folhear suas páginas e que lhe aquecia sua capa e tomo.

-Não corra, Forest. Não corra!

-Não corra, Forest. Não corra!

A nossa trajetória é marcada pela busca. Desde os primeiros dias de nossas vidas as metas já fazem parte de nossa vida social, e nesse momento os objetivos são levados por nossos pais. O início é a busca pelos primeiros passos, depois as primeiras palavras e assim por diante. Sempre estamos correndo atrás de algo, e depois que chegamos ao nosso objetivo focamos em outro mais distante ainda. Ocorre que hoje mantemos esse padrão de comportamento, mas agora os objetivos a serem alcançados são bens materiais supérfluos e que nos encantam com o seu fetiche. Acreditamos piamente que ao atingir determinada meta encontraremos a felicidade plena, que comprar determinado item será o nosso Emplasto Brás Cubas resolvendo todas as nossas mazelas trazendo com ele a felicidade plena. O sabor da conquista é totalmente compreensivo, mas ao depositarmos toda nossa energia no resultado final nos esquecemos do processo que antecede. É o caso do atleta que fica pensando em como será desempenho em uma prova que tem grande importância para si. Ele sonhou com aquele momento, imagina-se na prova, e esquece que para ocorrer tudo o que deseja é necessário treinar (processo) dia após dia para só depois realizar seus anseios na participação da prova (resultado). O fim é resultado do empenho e dedicação durante o processo. Entretanto, é natural do nosso comportamento nessa sociedade contemporânea a busca pelo rápido resultado, e esse comportamento efêmero permeia todo o nosso comportamento humano. Temos a gana da rápida ascensão no mundo do trabalho; achamos que dedicar quatro anos para uma graduação é tempo demais; queremos tudo para ontem e não nos damos conta que não conseguimos aproveitar nossas próprias ações por conta do ritmo que seguimos e que não questionamos. Afinal, qual a necessidade de termos tanta pressa?

Alienação.

Alienação.

alienação

A alienação tem por significado o processo em que a consciência se torna estranha a si mesma, afastada de sua real natureza. Deixar de ser alienado pode fazer com que questionemos a nossa realidade, nos faz ter a práxis, no sentido marxista de unir teoria e prática para mudar o mundo, alterar a nossa realidade. Entretanto é cada vez mais complicado o processo de reflexão, pois somos dragados por uma lógica que domina a nossa vida. Nem bem abrimos os olhos ao despertar e nossa mente já está nos lembrando dos compromissos que temos, nossas responsabilidades, nossos objetivos e metas que nós mesmos colocamos, mas que não paramos para pensar qual é o real efeito deles, e se realmente nos faz bem. A lógica nos obriga a sermos empreendedores de nossas vidas, e afim de que tenhamos as condições materiais para comprar temos que trabalhar, estudar e progredir e se não conseguimos a culpa é individual. Desta maneira agimos com um olhar único, uma visão que nos cega. É como o antolho (viseira) de um cavalo que o obriga a olhar somente para a direção daquele que está em seu lombo, e o ordena através de chamados com uma violência simbólica ou através do chicote com a violência física. Refletir e questionar a ordem tem seu preço, pois o sistema automaticamente excluí quem pensa diferente, e como diria Bauman, a sociedade de consumo entrega aquilo que promete. Estranho pensar isso, mas as redes sociais e seus grupos servem para mostrar como o interesse comum de determinado assunto serve para aglutinar aqueles de opinião próxima e afastar outros que divergem da opinião do grupo. Reproduzimos essa lógica nas nossas microrrelações e não notamos. A sociedade cada vez mais segmentada, que nos da ilusão de pertencimento a determinado grupo homogêneo de pensamento gera uma atitude de autoproteção do grupo, proteção da “matilha”. Assim praticamos atitudes sem as quais realmente paramos para pensar se concordamos, mas o nosso desejo de sentir contemplado, incluído em um grupo é muito maior. Não é simples pensar diferente. Será que é melhor não pensar e ficar com o sentimento de “identidade” que a nossa sociedade calcada no consumo oferece?

Bloco do Eu sozinho.

Bloco do Eu sozinho.

 

A autonomia que segundo o dicionário é a capacidade de se autogovernar, ou ainda, de acordo com Kant (1724-1804) é a capacidade da vontade humana de se autodeterminar segundo uma legislação moral por ela mesma estabelecida, livre de qualquer fator estranho ou exógeno com uma influência subjugante, tal como uma paixão ou uma inclinação afetiva incoercível. Ela é um traço característico e que buscamos ao longo de nossa jornada. Desde pequenos tentamos ser autônomos. Já quando éramos crianças demos os primeiros passos em direção a autonomia tentando fazer algo sozinho ou tendo a audácia de dispensar a ajuda de um adulto, mesmo nós sendo aqueles que até pouco tempo atrás ainda estávamos nos locomovendo em quatro apoios. Crescemos e continuamos desenvolvendo dentro desse processo. Eu até hoje penso que não posso depender de alguém, que devo ter minha própria capacidade de realizar aquilo que desejo. Mas qual o sentido dessa autonomia? Vivemos nessa sociedade liquida que sabe cada vez menos lidar com as frustrações, que calca seu prazer no consumo de bens materiais e subjetivos como as relações afetivas, que descarta amizades com um simples clique fazendo com que o virtual influa no real. Assim, estamos virando um grande bloco de “Eu(s)” sozinho(s) conectado através de celulares e escondendo nossas frustrações?

Os bares estão cheios de almas tão vazias.

Os bares estão cheios de almas tão vazias.

A frase é retirada da música “Não existe em amor em SP” do cantor Criolo, e uso esse trecho para refletir sobre o que fazemos a noite. Para que saímos à noite? Sabemos realmente o que queremos? Sair à noite, de dia ou fim de tarde, não importa a hora, gostamos de nos divertir. É algo inato ao ser humano. Somos hedonistas em nossa essência. Entretanto, qual o sentido da busca pelo prazer? Será que realmente estamos buscando algo prazeroso ou é uma fuga de problemas mais variados e que nem percebemos como eles nos afetam? Cada um tem seu próprio comportamento, moral e valores, assim agindo de maneira própria. Mas como o título sugere o ambiente a ser refletido é o bar. Aquele que vamos como os amigos e amigas, aquele que vamos à busca de conhecer alguém de maneira informal, aquele que vamos só pelo simples fatos de já não estarmos mais dentro de casa, pois ficar em casa pode ser um enorme tédio. Repetimos a ação de forma tão automática que nem nos damos realmente conta do que estamos fazendo, mas a certeza que temos é que procuramos algo prazeroso e de forma rápida. Porém qual o benefício desse prazer? Será que ele não é mais uma droga social a qual buscamos seu efeito a todo o momento?

Você vai. As marcas ficam.

Você vai. As marcas ficam.

Relacionamos-nos diariamente com pessoas de forma real ou virtual. Algumas criamos vínculos, sentimentos e trocamos experiências. Mas nem sempre as relações são duradouras. Na era das relações efêmeras, quando pensamos que será duradouro, a vida nos prega uma peça e o destino nos separam daquela pessoa que estamos gestando um sentimento. Mas a distancia e até mesmo a falta de contato não apaga a marca que ela deixou. E nesse ponto é que sofremos, pois se a marca é boa sofremos pela saudade, relembramos da pessoa em situações do dia a dia, stalkeamos as redes sociais na busca por uma notícia, foto ou algo que possa saciar a nossa vontade. Se a marca é ruim sofremos por relembrar do trauma, podemos ficar remoendo, relembrando momentos, pensando em “n” possibilidades daquilo que poderia ser diferente e no fundo só estamos causando a nossa dor. Somos torturados em um trabalho conjunto da mente que traz à tona as lembranças e pelo coração que a cada lembrança nos faz sentir novamente o sentimento por alguém que não temos mais. Não somos somente vitimas nessa relação, também somos capazes de deixar marcas. Cada um lida com sua própria dor, e cada um tem o direito de se achar “o maior sofredor do mundo”.

Preguiça

Preguiça.

 

A preguiça de acordo com o dicionário é aversão ao trabalho; pouca disposição para trabalhar; ócio. Lentidão em fazer qualquer coisa; morosidade; estado de moleza. A definição pode ser pouco conhecida, mas o que ela representa não é. Nós “enfrentamos” diariamente e cada indivíduo trava sua batalha pessoal. Ela pode ser quando se acorda na segunda para ir trabalhar, e aí você sente que o final de semana de bebedeira com os amigos serviu para trazer cansaço e a preguiça. Pode ocorrer após a refeição, quando vem aquele sono típico pós-almoço. Há diversas situações em que pode ocorrer e outras em que ela serve como incentivo. Há tempos refleti que o homem que havia inventado a roda seria o mais preguiçoso, pois ele criou algo que possibilitou uma tremenda economia de energia (rs). Desde então, penso que as invenções vão à direção da preguiça, e corroboram para que o Homem tenha que desempenhar a menor quantidade de energia e com o maior conforto e comodidade possível. Seria como um amigo de graduação dizia: é a lei do menor esforço. Não quero aqui dizer que realmente somos todos preguiçosos. Entretanto, acho que devemos reconhecer esse sentimento que há dentro de nós, mas que é visto com ojeriza pelo mundo capitalista do trabalho.

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: