Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

eterno retorno

Ciclo

Ciclo.

O conceito de Eterno Retorno propõe uma repetição do mundo no qual ele se recria após se extinguir. A abstração parece necessária para compreender este conceito do campo filosófico e que parece distante da realidade vivenciada, mas ele está presente no nosso cotidiano. As relações humanas, sobretudo as do campo afetivo seguem esse padrão. Respeitemos as individualidades e as escolhas de cada um, o conceito pode ser enxergado. Quem nunca houve a frase “todo o fim é um recomeço”? Ela que normalmente é dita como paliativo para nosso sofrimento, e por alguém que demonstra empatia por nossa dor momentânea. Todos sofremos por amor pelo menos uma vez em nossa trajetória, e as vezes, a dor pode ser tão grande que nos fechamos para este sentimento por medo. Aqueles que seguem em frente acabam criando seu novo mundo após a destruição do anterior. É algo natural do ser humano, pois somos hedonistas e que gostamos de ser contemplados por nossos parceiros. Além do mais, ter alguém é sinal de vitória. O doce sabor da conquista é ainda mais saboreado por aqueles que já provaram o amargor da rejeição e do insucesso.

A grande curiosidade é que não notamos a forma como operamos. Vamos seguindo em frente como um barco à deriva e que está sendo guiado pelas águas e pela pelo vento. Não sabemos onde vamos atracar. O momento em que estamos perdidos é como o fim de um relacionamento. Ficamos desesperados, não sabemos como agir e por mais que essa situação não seja novidade, nós ainda experimentamos sensações comuns a todos como a dor, angústia e o desespero. O tempo cumpre a sua função. Nos acalmamos. Passamos a notar que podemos voltar a controlar nossa trajetória, mesmo não sabendo em qual terra iremos chegar. Nesse momento podemos conhecer novos ambientes, e as nossas experiências passadas irão moldar o nosso gosto. Podemos ficar ressabiados, arredios pulando de ilha em ilha e jamais fixando morada. Mas haverá o momento em que algo chamará a nossa atenção, e que mesmo sem saber o porquê, iremos recomeçar a nossa trajetória. Iremos ter nosso processo de encantamento, de descobrimento. A nossa mente, junto de nosso coração, irá criar narrativas que justifique nosso desejo. É o que chamamos de afinidades e que são baseadas em nossas interpretações sobre as atitudes do outro. Nesse momento nosso sentimento terá dois caminhos possíveis: paixão e o amor. Não é que um exclua o outro, mas é de suma importância saber interpretar a diferença que há entre eles. A paixão é forte, avassaladora, nos tira do eixo racional e acima de tudo efêmera. O amor é sereno, pleno e duradouro, é um sentimento maduro que nos conforta de maneira sublime. Assim, o ciclo chega ao ápice. A maneira como a relação ou esse processo de tomada do novo ambiente irá ocorrer irá depender também de fatores externos e que fogem a nossa vontade. Somos senhores de nossos destinos, mas não de nossas relações pois elas são feitas a quatro mãos. O cenário já está pronto para iniciar o processo de extinção, e nem nos demos conta.

Déjà vu da vida.

Déjà vu da vida.

Muitos dizem que a história se repete; que ela é como uma espiral de caderno contendo pontos de intersecção; ou como Karl Marx disse: A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa. Certo é que podemos perceber em nossas vidas diversos momentos que temos a nítida sensação já ter passado por aquele momento. O nosso Déjà vu seria praticamente constante. Nietzsche, filosofo alemão desenvolveu o conceito chamado de Eterno Retorno. Na sua ideia, é como se a história se repetisse seguidamente, como o que hoje é conhecido como looping. Vivenciamos situações repetidas vezes e não nos damos conta. Vivenciamos situações em que trocamos de lado, e não paramos para refletir. É como a mulher que casa, e gera aquele sentimento na sogra de ter o filho roubado. Anos depois a história irá se repetir, mas dessa vez, a esposa estará no papel da sogra e poderá ter o mesmo sentimento que sua sogra teve anos atrás. De fato, a história se repete, mas as nossas posições não são as mesmas. Muitos dizem que devemos aprender com a vida (eu me incluo nesse hall), mas como diz Milan Kundera em A Insustentável Leveza do Ser é difícil aprender pois só se vive uma vez. Mesmo assim, a questão ainda permanece: Como aprender? Como ter a sensibilidade de perceber as sutilezas de cada situação? Qual seria o sentido na busca desse aprendizado? Eliminar erros pode significar talhar a liberdade, pois podemos estar predestinados ao “erro”. Qual o mal em “errar”?

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: