Busca

Refletindo

Espaço para leitura e reflexão.

Tag

amor

Razão e emoção.

                                                           Razão e emoção.

O senso comum diz que a razão diverge da emoção. Há ilustrações que mostram um cabo força entre eles representados respectivamente pelo cérebro e pelo coração. Mas por que esse dilema? Realizar esforços contrários a nossa própria vontade traz machucados profundos, e que por vezes demoramos a notar sua presença. Quando isso ocorre, já pode ser tarde demais. A razão pode funcionar como uma muleta para justificar as atitudes que tomamos por medo. O sentimento nos mostra aquilo que precisaremos de coragem, e as vezes, até uma pitada de loucura para vivenciar em sua plenitude. Fato é que podemos ser racionalmente apaixonados. Não há motivos para divergir. Há a necessidade de fugirmos do pragmatismo do senso comum que nos reprime. Viver as emoções é experimentar a liberdade dos sentimentos puros que são gerados de forma natural no interior de cada um.

As nossas experiências frustradas podem nos levar a permanecer na superficialidade do ordinário. Fazemos uma auto-crueldade negando sentimentos, afastando possibilidades com medo do que poderá um dia acontecer. Não somos senhores do tempo. Somos escritores de nossas vidas, e ela é escrita minuto a minuto como uma obra de Saramago onde o ponto final se mostra longe de ser alcançado. Entretanto, nesses períodos simples e compostos, há nossa ação realizada e suas consequências gerando a nossa narrativa que se chama VIDA

Ciclo

Ciclo.

O conceito de Eterno Retorno propõe uma repetição do mundo no qual ele se recria após se extinguir. A abstração parece necessária para compreender este conceito do campo filosófico e que parece distante da realidade vivenciada, mas ele está presente no nosso cotidiano. As relações humanas, sobretudo as do campo afetivo seguem esse padrão. Respeitemos as individualidades e as escolhas de cada um, o conceito pode ser enxergado. Quem nunca houve a frase “todo o fim é um recomeço”? Ela que normalmente é dita como paliativo para nosso sofrimento, e por alguém que demonstra empatia por nossa dor momentânea. Todos sofremos por amor pelo menos uma vez em nossa trajetória, e as vezes, a dor pode ser tão grande que nos fechamos para este sentimento por medo. Aqueles que seguem em frente acabam criando seu novo mundo após a destruição do anterior. É algo natural do ser humano, pois somos hedonistas e que gostamos de ser contemplados por nossos parceiros. Além do mais, ter alguém é sinal de vitória. O doce sabor da conquista é ainda mais saboreado por aqueles que já provaram o amargor da rejeição e do insucesso.

A grande curiosidade é que não notamos a forma como operamos. Vamos seguindo em frente como um barco à deriva e que está sendo guiado pelas águas e pela pelo vento. Não sabemos onde vamos atracar. O momento em que estamos perdidos é como o fim de um relacionamento. Ficamos desesperados, não sabemos como agir e por mais que essa situação não seja novidade, nós ainda experimentamos sensações comuns a todos como a dor, angústia e o desespero. O tempo cumpre a sua função. Nos acalmamos. Passamos a notar que podemos voltar a controlar nossa trajetória, mesmo não sabendo em qual terra iremos chegar. Nesse momento podemos conhecer novos ambientes, e as nossas experiências passadas irão moldar o nosso gosto. Podemos ficar ressabiados, arredios pulando de ilha em ilha e jamais fixando morada. Mas haverá o momento em que algo chamará a nossa atenção, e que mesmo sem saber o porquê, iremos recomeçar a nossa trajetória. Iremos ter nosso processo de encantamento, de descobrimento. A nossa mente, junto de nosso coração, irá criar narrativas que justifique nosso desejo. É o que chamamos de afinidades e que são baseadas em nossas interpretações sobre as atitudes do outro. Nesse momento nosso sentimento terá dois caminhos possíveis: paixão e o amor. Não é que um exclua o outro, mas é de suma importância saber interpretar a diferença que há entre eles. A paixão é forte, avassaladora, nos tira do eixo racional e acima de tudo efêmera. O amor é sereno, pleno e duradouro, é um sentimento maduro que nos conforta de maneira sublime. Assim, o ciclo chega ao ápice. A maneira como a relação ou esse processo de tomada do novo ambiente irá ocorrer irá depender também de fatores externos e que fogem a nossa vontade. Somos senhores de nossos destinos, mas não de nossas relações pois elas são feitas a quatro mãos. O cenário já está pronto para iniciar o processo de extinção, e nem nos demos conta.

Confiança: exigimos, mas retribuímos?

Confiança: exigimos, mas retribuímos?

 

A confiança, como dizem, é a base para uma boa relação podendo ela ser de amizade, amorosa ou até mesmo uma relação virtual. O dicionário traz a definição: crença na probidade moral, na sinceridade, lealdade, competência, discrição etc. de outrem; crédito, fé; crença de que algo não falhará, de que é bem-feito ou forte o suficiente para cumprir sua função. Acredito que buscamos ela nas relações, pois a segurança ou lealdade, afasta de nós o medo da decepção ou nos ilude com a sensação de que ele está longe de acontecer. Desta maneira, esperamos um padrão de comportamento daquele(a) com quem nos relacionamos. Exigimos de forma subliminar uma postura e coerência nas atitudes tomadas, e quando elas não nos agradam abre-se espaço para cobrança. O ditado popular já diz: pau que bate em Chico, bate em Francisco. Só que nessa relação as nossas atitudes também são confiáveis? Estamos mais atentos olhando para o outro, e muitas vezes, esquecemos das nossas próprias atitudes ou somos tacanhos, e agimos de maneira a manter o foco no outro afim de que não sejamos questionados. Cobrar é muito mais fácil do que ser cobrado, e muitas vezes estabelece uma relação de poder, dominação sob o outro. Falta empatia para se colocar no lugar do outro; falta caráter para compreender que as ações tomadas são violentas; mais fortes até que uma agressão física. Um exercício até certo ponto utópico é trocar de posição. Seria como olhar no espelho, se colocar no lugar da imagem refletida e encarar você mesmo tendo ciências de todas as atitudes. Como você se encararia? Haveria cobrança? Qual seria a sua atitude?

Déjà vu da vida.

Déjà vu da vida.

Muitos dizem que a história se repete; que ela é como uma espiral de caderno contendo pontos de intersecção; ou como Karl Marx disse: A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa. Certo é que podemos perceber em nossas vidas diversos momentos que temos a nítida sensação já ter passado por aquele momento. O nosso Déjà vu seria praticamente constante. Nietzsche, filosofo alemão desenvolveu o conceito chamado de Eterno Retorno. Na sua ideia, é como se a história se repetisse seguidamente, como o que hoje é conhecido como looping. Vivenciamos situações repetidas vezes e não nos damos conta. Vivenciamos situações em que trocamos de lado, e não paramos para refletir. É como a mulher que casa, e gera aquele sentimento na sogra de ter o filho roubado. Anos depois a história irá se repetir, mas dessa vez, a esposa estará no papel da sogra e poderá ter o mesmo sentimento que sua sogra teve anos atrás. De fato, a história se repete, mas as nossas posições não são as mesmas. Muitos dizem que devemos aprender com a vida (eu me incluo nesse hall), mas como diz Milan Kundera em A Insustentável Leveza do Ser é difícil aprender pois só se vive uma vez. Mesmo assim, a questão ainda permanece: Como aprender? Como ter a sensibilidade de perceber as sutilezas de cada situação? Qual seria o sentido na busca desse aprendizado? Eliminar erros pode significar talhar a liberdade, pois podemos estar predestinados ao “erro”. Qual o mal em “errar”?

Não há nada de novo Ainda somos iguais

Não há nada de novo
Ainda somos iguais

 

Ao longo de nossa jornada passamos por experiências que nos fazem alterar a nossa percepção. É comum dizermos que não fomos mais a mesma pessoa, que mudamos a todo o momento, e de certa maneira isso possui total coerência. Mas será que mudamos tanto assim? Será que as alterações causadas por decepções, brigas, fim de um relacionamento são tão fortes a ponto de mudarmos completamente? A mudança completa seria aquele sem volta. Será que não passamos por processos e dentro deles alteramos nossa forma de agir por conta do medo de nos machucar, receio de ter aquele sentimento que queremos afastar?  Assim, somos modificados por ações externas e internas que acabamos somatizando. Entretanto, a nossa essência não é alterada, mas podemos suprimi-la. Pensemos em uma pessoa com a característica marcante de estar sorrindo, demonstrando felicidade. Ela pode passar por situações que a faça trocar a felicidade pela tristeza, indiferença. Mas será que ela deixou de ser uma pessoa feliz ou momentaneamente o sentimento de tristeza é maior que a felicidade? Porque passado o momento difícil a felicidade regressa a ela e em um movimento natural, e de mão dupla do interno para o externo. No limite, é como o título da reflexão Não há nada de novo Ainda somos iguais que é um pequeno trecho da música Meu erro da banda Paralamas do Sucesso.

Os bares estão cheios de almas tão vazias.

Os bares estão cheios de almas tão vazias.

A frase é retirada da música “Não existe em amor em SP” do cantor Criolo, e uso esse trecho para refletir sobre o que fazemos a noite. Para que saímos à noite? Sabemos realmente o que queremos? Sair à noite, de dia ou fim de tarde, não importa a hora, gostamos de nos divertir. É algo inato ao ser humano. Somos hedonistas em nossa essência. Entretanto, qual o sentido da busca pelo prazer? Será que realmente estamos buscando algo prazeroso ou é uma fuga de problemas mais variados e que nem percebemos como eles nos afetam? Cada um tem seu próprio comportamento, moral e valores, assim agindo de maneira própria. Mas como o título sugere o ambiente a ser refletido é o bar. Aquele que vamos como os amigos e amigas, aquele que vamos à busca de conhecer alguém de maneira informal, aquele que vamos só pelo simples fatos de já não estarmos mais dentro de casa, pois ficar em casa pode ser um enorme tédio. Repetimos a ação de forma tão automática que nem nos damos realmente conta do que estamos fazendo, mas a certeza que temos é que procuramos algo prazeroso e de forma rápida. Porém qual o benefício desse prazer? Será que ele não é mais uma droga social a qual buscamos seu efeito a todo o momento?

-Eu te entendo. -Será mesmo?

-Eu te entendo.
-Será mesmo?

 

Compreender o outro é algo que dizemos fazer, e algo que agrada diversas pessoas. Entretanto será que realmente somos capazes ou tentamos nos colocar no lugar da outra pessoa, mas sem perder a nossa referência? Há a palavra empatia que pode ser compreendida como a capacidade de se colocar no lugar do outro. Isso será o suficiente? Não quero aqui dizer que não somos incapazes de entender o sentimento do outro, mas será que realmente o compreendemos em sua complexidade. Quando nos colocamos no lugar do outro, não podemos simplesmente “tomar” a posição que o outro estava e tentar compreender, pois aí será a nossa experiência, o nosso sentimento relatado. É necessário maturidade para praticar a empatia. No momento de se colocar no lugar do outro, deveríamos compreender a sua visão de mundo, como ele incorporou o conhecimento e o valor que ele da as coisas. Seria como se estivéssemos praticando um “divórcio cultural”, nos desprendendo de nosso ponto de vista e realmente enxergando com outros olhos. Sem tal atitude continuamos julgando com base em nosso juízo de valor, e ver o mundo somente sob nossa perspectiva.

Você vai. As marcas ficam.

Você vai. As marcas ficam.

Relacionamos-nos diariamente com pessoas de forma real ou virtual. Algumas criamos vínculos, sentimentos e trocamos experiências. Mas nem sempre as relações são duradouras. Na era das relações efêmeras, quando pensamos que será duradouro, a vida nos prega uma peça e o destino nos separam daquela pessoa que estamos gestando um sentimento. Mas a distancia e até mesmo a falta de contato não apaga a marca que ela deixou. E nesse ponto é que sofremos, pois se a marca é boa sofremos pela saudade, relembramos da pessoa em situações do dia a dia, stalkeamos as redes sociais na busca por uma notícia, foto ou algo que possa saciar a nossa vontade. Se a marca é ruim sofremos por relembrar do trauma, podemos ficar remoendo, relembrando momentos, pensando em “n” possibilidades daquilo que poderia ser diferente e no fundo só estamos causando a nossa dor. Somos torturados em um trabalho conjunto da mente que traz à tona as lembranças e pelo coração que a cada lembrança nos faz sentir novamente o sentimento por alguém que não temos mais. Não somos somente vitimas nessa relação, também somos capazes de deixar marcas. Cada um lida com sua própria dor, e cada um tem o direito de se achar “o maior sofredor do mundo”.

Porque só o amor não basta.

Porque só o amor não basta.

 

As relações em que o amor está presente são as melhores, e ele pode ser sentido de diversas formas. Entretanto, o amor é o elemento mantenedor forte suficiente para uma relação? No século XXI ainda nutrimos o mesmo sentimento amoroso de outrora, e acreditamos que havendo sua presença, a relação terá seu sucesso garantido. Mudamos ao longo de nossa história, e a forma de amar também é alterada, já que seus atores não são mais os mesmos. Hoje demonstramos a capacidade de nutrir sentimento por alguém que nunca vimos pessoalmente, mas que através de mensagens se faz presente; conseguimos nos apaixonar por imagens que criamos por base em nossas interpretações de atitudes daqueles que só estão presente virtualmente; enganchamos-nos com pessoas do nosso cotidiano, com estranhos ou com amigos que conseguem nos contemplar, suprir necessidades que nem se quer sabemos que temos. A realidade nua e crua é de que criamos um sentimento, geramos expectativas e torcemos piamente para que eles sejam correspondidos, mas nem sempre é possível. Além do amor, a convivência é algo tão importante quanto aquilo que sentimos pela pessoa, e se não conseguimos conviver com o outro, o amor não será suficiente para nos manter unidos. Não gostamos da dor, da perda, do fim e lutamos para que aquilo que gostamos permaneça, porém essa luta ou adiamento do fim pode gerar mais dor aos envolvidos na relação. Ela nem sempre é percebida, mas como então toda relação, há aquele que gosta mais, aquele que é mais racional, mais sensível e conseguem notar a deterioração da relação e aí uma série de motivos podem ser elencados para essa percepção, pois a pessoa pode se sentir sufocada com a relação, ter sentimento de tristeza, se sentir obrigada a estar com a outra pessoa por já ter compromisso firmado, etc. Nesse momento não percebemos que o apego pelo outro tomou o lugar do amor, e por isso há a dependência da presença. A separação, por mais traumática e dolorida que seja, é o caminho- correto ou não, só o tempo irá dizer-, mas permanecer inerte é ignorar a dor de quem está ao seu lado, é não enxergar a própria situação. Não se deve acreditar que só se vive o amor uma vez, é preciso ter coragem para amar e tendo ela, receberemos nosso bônus ao invés da punição do pecado de acreditar que só se vive uma vez.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: