Não há nada de novo
Ainda somos iguais

 

Ao longo de nossa jornada passamos por experiências que nos fazem alterar a nossa percepção. É comum dizermos que não fomos mais a mesma pessoa, que mudamos a todo o momento, e de certa maneira isso possui total coerência. Mas será que mudamos tanto assim? Será que as alterações causadas por decepções, brigas, fim de um relacionamento são tão fortes a ponto de mudarmos completamente? A mudança completa seria aquele sem volta. Será que não passamos por processos e dentro deles alteramos nossa forma de agir por conta do medo de nos machucar, receio de ter aquele sentimento que queremos afastar?  Assim, somos modificados por ações externas e internas que acabamos somatizando. Entretanto, a nossa essência não é alterada, mas podemos suprimi-la. Pensemos em uma pessoa com a característica marcante de estar sorrindo, demonstrando felicidade. Ela pode passar por situações que a faça trocar a felicidade pela tristeza, indiferença. Mas será que ela deixou de ser uma pessoa feliz ou momentaneamente o sentimento de tristeza é maior que a felicidade? Porque passado o momento difícil a felicidade regressa a ela e em um movimento natural, e de mão dupla do interno para o externo. No limite, é como o título da reflexão Não há nada de novo Ainda somos iguais que é um pequeno trecho da música Meu erro da banda Paralamas do Sucesso.