A nossa vida é repleta de atividades desempenhadas desde quando viemos ao mundo. Nas fases iniciais as atividades são descaracterizadas para que não haja cobrança e que tenha um fim lúdico. No decorrer de nossa história criamos novas vontades, desejos de aprender coisas novas e encarar novos desafios. O que irá diferir das atividades anteriores é de que na vida adulta o espaço para o lúdico é reduzido, as atividades e o rendimento que desejamos demandam cobrança. Nesse trajeto, para alcançar nossas metas, haverá cobrança para desempenhar atividades que temos interesse. A atividade que inicialmente se mostra prazerosa ganha feição completamente apaixonante, mas o encantamento pode ir para o caminho oposto: desencantamento, frustração ou trauma. Pense em uma atividade que dê prazer, agora a imagine tendo que realizá-la sempre. A relação é alterada completamente. Enquanto na atividade lúdica ou hobby nós possuímos o domínio do tempo e a realizamos quando bem entendermos. Já quando a atividade caminha para lado profissional, que exige dedicação, perdemos o domínio do tempo, pois iremos realizar não mais de acordo com a nossa vontade, mas sim quando necessário e independente de nosso estado de espírito. O fascínio de algo é muito relativo e está intrinsecamente ligado ao gosto, cultura e rotina de cada individuo. O fato é que as atividades nascem dos hobbies e eles se originam nos nossos desejos que são gestados internamente. Assim, a vontade por algo novo deve ser mantida e aprimorada, assim podemos nos conhecer mais e ver todo o nosso potencial.