escolhas

Ao nascermos a nossa vida já está delineada. Os nossos pais planejam onde iremos estudar e pensam em como será a nossa vida adulta. Uma vida utópica é pensada, mas a realidade é construída no dia a dia, nas escolhas que fazemos diariamente. O futuro previamente planejado é alterado a cada momento em que tomamos mais consciência, criamos anseios pessoais e pode ser alterado de forma drástica se comparado com o que fora planejado antes mesmo de nascermos. Mas a utopia pessoal ou a fraternal só pode ser alcançada com as decisões tomadas no presente. O futuro é um eterno “vir a ser” e que nunca chega, pois quando ele chega já não é mais futuro e sim presente. A sua construção deve ocorrer no dia a dia, nas decisões que tomamos e nas consequências de tal atitude. A nossa utopia é algo a ser alcançado, mas que nunca conseguiremos tocar e dentro dessa relação contraditória reside sua grandeza que nos motiva. Quando temos o que alcançar podemos no sentir motivados, fortes para chegar a nosso objetivo. Não havendo o foco ou ponto a ser alcançado nos sentimos perdidos. Seria como se nossos dias fossem grandes vazios e sem significados.